AGE da Eletrobras, balanço de Vale e Petrobras e a agenda da semana na B3

Acionistas da estatal elétrica se reúnem na terça para deliberação sobre processo de privatização; semana tem resultados também de Ambev, Inter e Gerdau
Privatização da Eletrobras tem nova etapa decisiva nesta terça, dia 22, com AGE com acionistas | Foto: Bloomberg/GettyImages (Getty Images/Bloomberg)
Privatização da Eletrobras tem nova etapa decisiva nesta terça, dia 22, com AGE com acionistas | Foto: Bloomberg/GettyImages (Getty Images/Bloomberg)
Por BloombergPublicado em 20/02/2022 08:00 | Última atualização em 18/02/2022 08:38Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A semana que começa terá importantes eventos envolvendo algumas das maiores empresas da bolsa brasileira. Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3, PETR4) divulgam seus resultados do quarto trimestre na quinta-feira, dia 24, e na quarta-feira, dia 23, respectivamente.

A Eletrobras (ELET3, ELET6) reúne seus acionistas na terça-feira, dia 22, para discutir o processo de privatização e a reestruturação societária que vai manter sob controle da União a Eletronuclear e a Itaipu Binacional.

Tenha acesso agora a todos materiais gratuitos da EXAME para investimentos, educação e desenvolvimento pessoal.

Os questionamentos do ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União (TCU), sobre o valor da outorga na privatização podem ter impactos na Assembleia Geral Extraordinária (AGE) na terça, segundo o Valor Econômico.

Acionistas da Eletrobras ainda avaliam se vão se movimentar em relação ao assunto, apurou o Valor, ainda que questionamentos sobre o valor final da operação por parte de grupos contrários à desestatização fossem esperados.

Veja a seguir os principais eventos da semana na bolsa:

 

Segunda-feira, 21 de fevereiro:

  • Assaí, Inter, Blau, JSL, Mitre e Movida divulgam seus resultados do quarto trimestre.

Terça, 22 de fevereiro:

  • A Eletrobras reúne seus acionistas em AGE para deliberação sobre o processo de privatização.
  • Definição de preço por ação em oferta subsequente (follow-on) da Alpargatas.
  • BRF, Localiza, Raia Drogasil e Telefônica informam resultados trimestrais.

Quarta, 23 de fevereiro:

  • CTEEP, Gerdau, GPA, Minerva, Odontoprev, Petrobras, São Carlos, Simpar, SulAmérica, TIM e Ultrapar divulgam seus balanços do quarto trimestre.

Quinta, 24 de fevereiro:

  • AES Brasil, Ambev, Americanas, Azul, BK Brasil, CCR, Hypera, IRB Brasil, JHSF, Ômega Geração, Ouro Fino, Randon, Sanepar e Vale informam seus resultados do quarto trimestre.

Sexta, 25 de fevereiro:

  • A Braskem reúne seus acionistas em assembleia para deliberar sobre a conversão das ações preferenciais classe B em ações preferenciais classe A, na razão de 2 ações de classe B para uma de classe A.
  • A Marcopolo divulga seu balanço trimestral.

 

Veja a seguir 3 destaques da semana que passou:

 

JBS desiste de movimento nos EUA

A JBS (JBSS3) retirou a proposta de adquirir todas as ações ordinárias em circulação da Pilgrim’s Pride (PPC), após não chegar a um acordo com o Comitê Especial do Conselho da companhia sobre os termos da transação, disse a empresa em comunicado ao mercado.

Após a notícia, as ações da produtora de frango Pilgrim’s Pride chegaram a cair 15% no pós-mercado na última quinta-feira, dia 17.

brMalls na mesa de negociações

Um mês após o conselho recusar a proposta de união com a Aliansce Sonae (ALSO3), a brMalls (BRML3) retomou as conversas com a Ancar Ivanhoé e com a Gafisa (GFSA3), controlada por Nelson Tanure, segundo o Estado de S. Paulo.

A empresa confirmou conversas preliminares com a Ancar, com quem já havia tentado um acordo em 2020. A reportagem do Estado diz que até as conversas com a Aliansce não estariam definitivamente encerradas, mas hoje aconteceriam entre acionistas favoráveis ao acordo.

CSN adia IPO de cimentos

A CSN (CSNA3) decidiu cancelar o pedido de IPO da unidade CSN Cimentos, que poderia levantar em torno de 2 bilhões de reais. A companhia alegou condições adversas na mercado nacional e internacional.

O processo já havia sido adiado em julho de 2021. A CSN pretendia financiar 50% da compra da Holcim com os recursos do IPO, segundo declarou o CFO da companhia em setembro passado.

(Com a Redação)