Dólar cai 0,36% após mais ações do BC no mercado

Medida do BC sobre o compulsório, facilitando formação de posição vendida em câmbio para bancos, contribuiu para queda na divisa norte-americana

O dólar fechou em queda ante o real nesta terça-feira após o Banco Central anunciar mais uma medida, além dos vários leilões conjugados de venda da moeda estrangeira, para dar liquidez ao mercado de câmbio e conter uma alta excessiva da divisa.

Sinais de um próximo acordo para evitar o chamado “abismo fiscal” nos Estados Unidos também contribuíram para a queda da moeda norte-americana.

O dólar caiu 0,36 por cento, para 2,0890 reais na venda, após três sessões consecutivas de alta. Durante o dia, a moeda oscilou entre 2,0854 reais e 2,1015 reais. Segundo dados da BM&F, o volume negociado foi de 2,738 bilhões de dólares.

O BC vem desfazendo nas últimas semanas diversos impedimentos à queda do dólar, num sinal de que preocupações com a inflação estão crescendo. As ações sugerem que a autoridade pode continuar a intervir no mercado para evitar uma alta mais expressiva do dólar.

“O mercado ficou mais equilibrado durante a tarde e o dólar caiu, depois que todo mundo foi digerindo a medida que o BC anunciou”, disse o superintendente de câmbio da Intercam Corretora, Jaime Ferreira.


A medida anunciada pelo BC antes da abertura do pregão desta terça-feira falicita a formação de posição vendida em câmbio –quando investidores apostam em queda do dólar ante o real.

A partir de quinta-feira, os bancos poderão assumir posições vendidas de até 3 bilhões de dólares sem recolher compulsório bancário. A regra atual previa a penalidade a partir de 1 bilhão de dólares.

Essa ação vem na esteira de outras medidas anunciadas no começo do mês para dar liquidez ao mercado. O BC já havia facilitado o financiamento ao exportador, enquanto o governo havia reduzido a incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre empréstimos em moeda estrangeira.

Além das medidas, o BC tem realizado frequentemente leilões de venda de dólares no mercado à vista com compromisso de recompra, também chamados de leilões de linha.

Nesta terça-feira, foram realizados três leilões. Ao todo, a autoridade monetária fez nove leilões desse tipo desde o início de dezembro.


No final do ano, é comum que o dólar fique mais pressionado diante de uma maior saída da moeda, com filiais brasileiras remetendo lucros e dividendos para as suas matrizes no exterior.

Apenas nos primeiros 14 dias de dezembro, as saídas somaram 4,215 bilhões de dólares, segundo dados do BC.

Por outro lado, o otimismo quanto a um acordo sobre o orçamento dos Estados Unidos contribuiu para a queda da moeda norte-americana nesta terça-feira.

O Congresso norte-americano precisa chegar a um acordo para evitar os aumentos de impostos e cortes de gastos programados para entrar em vigor nos Estados Unidos no ano que vem –o chamado “abismo fiscal”, que pode empurrar a maior economia do mundo para uma recessão.

Apesar de ainda existirem alguns impasses, as diferenças sobre como resolver a questão fiscal dos EUA diminuíram significativamente desde segunda-feira à noite. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.