Acompanhe:

Dólar ainda deve perder força em dezembro e fechar 2023 abaixo de R$ 5, diz BTG Pactual

Redução de riscos fiscais poderia derrubar preço médio da moeda americana no mês para R$ 5,17

Modo escuro

Continua após a publicidade
Dólar: banco vê cambio pressionado por riscos fiscais (halduns/Getty Images)

Dólar: banco vê cambio pressionado por riscos fiscais (halduns/Getty Images)

G
Guilherme Guilherme

Publicado em 7 de dezembro de 2022 às, 10h25.

Incertezas fiscais associadas à PEC da Transição e dados mais fortes da atividade econômica ameircana fizeram o dólar iniciar dezembro em alta frente ao real. Até o último pregão, a moeda americana acumulava valorização no mês. A tendência, porém, é o dólar se enfraqueça nas próximas semanas, segundo economistas do BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da Exame).

O BTG espera que a moeda americana termine o ano em R$ 5,20, abaixo da cotação atual, próxima de R$ 5,27. Tudo, porém, deve depender da tramitação da PEC no Congresso. O texto, que prevê um impacto fiscal próximo de R$ 169 bilhões, recebeu o aval da CCJ do Senado e, agora, precisa ser aprovado em dois turnos no Senado e na Câmara.

"Os próximos dias serão de grande importância para a definição da precificação de risco da economia brasileira, mas por enquanto visualizamos a taxa de câmbio encerrando o ano marginalmente abaixo do patamar atual".

Pela projeção alternativa do banco, a moeda americana poderia cair ainda mais, perfazendo um dólar médio de R$ 5,17 para o mês.  O movimento, segundo o BTG, seria "explicado por
efeitos sazonais e por possível descompressão de juros a partir de redução do risco fiscal".

Para 2023, o BTG espera que o real se aprecie 6% frente ao dólar, o que levaria a moeda americana para próximo de R$ 4,90.

Mas além das questões fiscais, o banco ressalta que as políticas do Federal Reserve (Fed) podem se mostrar uma barreira para a apreciação do real no ano que vem. Isso porque, segundo o BTG, Federal Reserve deverá subir suas taxas de juros acima do esperado pelo mercado, diante de dados mais fortes para a economia americana.

A expectativa de economistas do banco é de que as taxa de juros do Fed suba do atual patamar entre 3,75% e 4% para entre 5% e 5,25%. A projeção, ressalta o BTG, é "acima dos 4,95% precificado na curva [de juros futura". "Ou seja, há espaço para deterioração do cenário para ativos mais arriscados, o que seria prejudicial para o real."

Últimas Notícias

Ver mais
Em momento de baixa nas ofertas públicas de ações nos EUA, 'IPO privado' aparece como opção
seloMercados

Em momento de baixa nas ofertas públicas de ações nos EUA, 'IPO privado' aparece como opção

Há 4 horas

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC
seloMercados

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC

Há 11 horas

Quem foi Charlie Munger, homenageado em carta anual de Warren Buffett
seloMercados

Quem foi Charlie Munger, homenageado em carta anual de Warren Buffett

Há um dia

Os "negócios maravilhosos" para investir, segundo Warren Buffett
seloMercados

Os "negócios maravilhosos" para investir, segundo Warren Buffett

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais