• BVSP 117.669,90 -0,5%
  • USD 5,6926 +0,0000
  • EUR 6,7616 +0,0000
  • ABEV3 15,43 -0,13%
  • BBAS3 29,27 +0,55%
  • BBDC4 25,25 +0,04%
  • BRFS3 23,91 -1,97%
  • BRKM3 43,57 -0,98%
  • BRML3 9,95 +1,95%
  • BTOW3 62,7 -0,85%
  • CSAN3 89,25 -0,45%
  • ELET3 35,45 -1,50%
  • EMBR3 16,02 -0,37%
  • Petróleo 61,11 +0,00%
  • Ouro 1.746,80 +0,00%
  • Prata 25,55 +0,00%
  • Platina 1.209,30 +0,00%

Dólar cai abaixo de R$3,25 com recuperação de commodities

Às 10:57, o dólar recuava 0,82 por cento, a 3,2452 reais na venda, após subir 0,90 na sessão anterior. O dólar futuro caía cerca de 0,65 por cento nesta manhã

São Paulo - O dólar recuava cerca de 1 por cento e ia abaixo de 3,25 reais nesta terça-feira, reagindo à recuperação dos preços de commodities e em linha com a baixa global da moeda norte-americana após o anúncio de novos estímulos fiscais no Japão.

Às 10:57, o dólar recuava 0,82 por cento, a 3,2452 reais na venda, após subir 0,90 na sessão anterior. O dólar futuro caía cerca de 0,65 por cento nesta manhã.

"Não há grandes notícias. As commodities estão subindo e o dólar está caindo em todo mundo", resumiu o economista da 4Cast Pedro Tuesta.

Os preços do petróleo voltavam a subir nesta manhã após acumularem queda de 10 por cento em uma semana, mas investidores continuavam preocupados com o excesso de oferta global.

O movimento era acompanhado de avanços nos preços de outras commodities relevantes para a América Latina, como o minério de ferro e o cobre. Nesse contexto, o dólar recuava em relação aos pesos chileno, mexicano e colombiano.

Outro fator que contribuía para a queda global da moeda norte-americana era o anúncio de 132 bilhões de dólares em medidas fiscais no Japão, que decepcionou alguns investidores que esperavam ações mais contundentes, mas levou o dólar a perder terreno em relação ao iene.

Também ajudava manter o dólar em queda nos mercados globais a alta de apenas 0,1 por cento do índice de preços PCE nos Estados Unidos em junho, que reforçou a percepção de que os juros norte-americanos não devem voltar a subir tão cedo.

"Os ventos externos estão ditando o movimento dos mercados brasileiros", disse o operador de uma corretora internacional, sob condição de anonimato.

No cenário local, investidores continuavam monitorando os passos do ajuste fiscal. Alguns demonstravam decepção após o governo aceitar alterar o projeto de renegociação da dívida dos Estados para garantir sua aprovação no Congresso Nacional, cuja votação está prevista para esta sessão.

Nesta manhã, o Banco Central novamente vendeu 10 mil swaps reversos, que equivalem a compra futura de dólares, repetindo a atuação que vem realizando quase diariamente desde o mês passado.

Texto atualizado às 11h06

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.