Invest

Do Brasil ao Japão, mercados de ações batem recordes ao redor do mundo

Mercado está registrando recordes e mantendo alta nas últimas semanas

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 20 de maio de 2024 às 07h41.

O mercado de ações globais está batendo recorde atrás de recorde. 14 dos 20 maiores mercados do planeta alcançaram suas cotações máximas nas últimas semanas. O levantamento foi feito pela Bloomberg.

Nos EUA, os índices S&P 500 e Nasdaq 100 atingiram máximas esta semana, enquanto o Dow Jones Industrial Average ultrapassou a marca dos 40.000 pontos pela primeira vez. As principais bolsas da Europa, Canadá, Brasil, Índia, Japão e Austrália também estão em seus picos ou próximos a eles.

A expectativa de cortes iminentes nas taxas de juros, economias robustas e lucros corporativos saudáveis estão impulsionando a atividade no mercado de ações. Além disso, existem fatores adicionais que podem sustentar o rali, como os US$ 6 trilhões (aproximadamente R$ 31 trilhões) parados em fundos de mercado monetário.

A queda nas ações globais em abril foi breve, com investidores aproveitando para comprar mais ações. Isso explica por que o S&P 500 não teve uma queda de 2% em 311 dias, sua maior sequência desde 2017-2018. Até mesmo as ações chinesas, que vinham enfrentando dificuldades desde a alta em fevereiro de 2021, estão começando a se recuperar.

Salma Ahmed, chefe global de alocação marco da Fidelity, explicou em entrevista à Bloomberg, que o mercado não tem sinais negativos no momento. Para Ahmed, as bolsas de valores mostram força e crescimento no atual momento.

Recorde na S&P 500 e surpresa na Europa

Em 2024, o S&P 500 estabeleceu 24 novos recordes, após dois anos sem alcançar nenhuma nova máxima, impulsionando um rali de US$ 12 trilhões (aproximadamente R$ 61 trilhões) desde o final de outubro. Parte desse crescimento se deve às esperanças de um pouso suave da economia, que permanece forte enquanto a inflação diminui, alimentando apostas de que o Federal Reserve poderá afrouxar a política monetária ainda este ano. Outra parte significativa desse rali é impulsionada pelo entusiasmo com a tecnologia de inteligência artificial. A gigante de chips de inteligência artificial da Nvidia sozinha é responsável por cerca de um quarto dos ganhos do S&P 500. Junto com Microsoft, Amazon.com, Meta e Alphabet, que juntas foram responsáveis por 53% de aumento no índice.

As ações europeias também estão em uma série de altas recordes, com dados econômicos mostrando sinais de recuperação em meio a surpresas positivas este ano. Isso está impulsionando os lucros corporativos e elevando as expectativas de que os mercados continuem crescendo.

O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu em cinco dos últimos seis meses, com a divergência na política monetária em relação aos EUA provavelmente servindo como um impulso para as ações da região. O Banco Central Europeu tem adotado um tom mais pacifista do que o Fed nos últimos meses, e os mercados de títulos esperam que o BCE corte as taxas antes de sua contraparte nos EUA pela primeira vez na história. representando 10% dos retornos do índice este ano.

Japão é a boa notícia

O índice Nikkei 225 do Japão subiu 16% este ano, acumulando um ganho de 28% no ano passado. Esse desempenho atraiu investidores e impulsionou os ganhos com uma campanha focada em melhorar os retornos aos acionistas, a desvalorização do iene e o fim das taxas de juros negativas no país.

A Índia também tem apresentado um desempenho forte, com o índice de referência S&P BSE Sensex estabelecendo recordes e superando a China, impulsionado pelos compromissos de investimento do governo e uma economia em expansão. No entanto, nas últimas semanas, os investidores têm mostrado cautela devido às incertezas eleitorais e altas avaliações. Enquanto isso, o índice S&P/ASX 200 da Austrália atingiu um pico em 28 de março, após dados de inflação reforçarem as expectativas de que as taxas de juros alcançaram seu ápice.

Desde então, as previsões mudaram, com um ex-funcionário do banco central prevendo que os cortes nas taxas podem ocorrer apenas no final de 2025. Ainda assim, as ações australianas continuam próximas de seus níveis recordes.

Acompanhe tudo sobre:MercadosÁsiaEuropaAmérica do SulEstados Unidos (EUA)

Mais de Invest

O que são ADRs e como investir em empresas na bolsa americana

Nota Fiscal Paulista libera R$ 35 milhões em crédito; veja como transferir o dinheiro

Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, vende 1 milhão de ações da BYD

TIM (TIMS3) e Telefônica Brasil (VIVT3) pagam juros sobre capital próprio; veja valor por ação

Mais na Exame