Invest

"Caiu por terra a ilusão de disciplina do governo", diz Verde

Antes otimista com o país, gestora reduz investimentos na bolsa brasileira e zera aposta favorável à queda dos juros futuros; no EUA, a Verde vê mercado excessivamente pessimista com a inflação e otimista com crescimento

Luis Stuhlberger, sócio-fundador da Verde Asset (Germano Lüders/Exame)

Luis Stuhlberger, sócio-fundador da Verde Asset (Germano Lüders/Exame)

Guilherme Guilherme
Guilherme Guilherme

Repórter de Invest

Publicado em 13 de maio de 2024 às 18h28.

Última atualização em 13 de maio de 2024 às 18h36.

Tudo sobreFundo Verde
Saiba mais

A Verde Asset, uma das gestoras mais influentes do mercado brasileiro, afirmou em carta a investidores que sua visão sobre a economia brasileira piorou significativamente no último mês. Para a Verde, o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO), que revisou para pior a meta fiscal para os próximos anos, "trouxe sinais bastante preocupantes de que os limites de crescimento real dos gastos desenhados pelo arcabouço são fictícios". A carta também afirma que o projeto de volta do DPVAT  "mostrou quão fácil é retirar gastos do arcabouço fiscal, mostrando que não há qualquer disciplina do lado do gasto no governo."

"Caiu por terra qualquer ilusão de que o governo perseguiria alguma, por menor que fosse, disciplina", afirma a Verde. A gestora ainda acrescenta que, embora "muito justa" a ajuda para o Rio Grande do Sul "renova a incerteza fiscal, pois já vimos o sistema político brasileiro abusar das boas intenções para gastar desenfreadamente".

A visão mais pessimista para o Brasil contrasta com o otimismo demonstrado meses atrás pelo gestor e sócio-fundador da Verde, Luis Stuhlberger. Ele, inclusive, chegou a afirmar no início do ano que o Brasil estaria bem enquanto o presidente Luís Inácio Lula da Silva fosse o chefe de Estado e o ministro Fernando Haddad, de governo. Em março, disse que o país estaria em um caminho melhor.

A piora de perspectiva foi acompanhada de uma revisão no posicionamento do principal fundo da casa, que reduziu sua participação em bolsa brasileira para 10%. O fundo também zerou a posição aplicada na curva prefixada, deixando de apostar numa eventual queda dos juros futuros.

"O mercado brasileiro em abril teve de enfrentar a volatilidade vinda do externo, acrescida de uma dose cavalar de volatilidade gerada localmente", diz a carta.

Exterior

O fundo Verde manteve inalteradas as posições em bolsa, mesmo com a queda de índices de Wall Street diante da expectativa de que o Federal Reserve (Fed) não corte os juros tão cedo. Segundo a gestora, o mercado está pessimista demais com a inflação e excessivamente otimista com a resiliência da atividade americana — condições que dificultam o início da queda de juros nos Estados Unidos.

"Nos parece que da mesma maneira que os mercados exageraram no 'higher forever' em outubro, e logo em seguida empurraram demais o pêndulo na direção da 'inflação está vencida' em novembro e dezembro, agora nos parece que voltamos para o outro extremo", afirma a Verde.

Acompanhe tudo sobre:Fundo VerdeAjuste fiscalbolsas-de-valores

Mais de Invest

Posso deixar 100% dos meus bens para quem eu quiser em um testamento?

Quanto rende R$ 50 mil na poupança? E em outros investimentos?

O que é melhor: testamento ou doação em vida?

Quanto rende R$ 1 milhão a 120% do CDI?

Mais na Exame