Economia

Itaú revisa projeções e espera que Fed faça apenas um corte de juros em 2024

Mudança nas expectativas se deve ao crescimento econômico, geração de empregos e inflação mais apertada

Sede do Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos Estados Unidos (Leah Millis/Reuters)

Sede do Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos Estados Unidos (Leah Millis/Reuters)

Antonio Temóteo
Antonio Temóteo

Repórter especial de Macroeconomia

Publicado em 12 de abril de 2024 às 17h28.

Última atualização em 12 de abril de 2024 às 18h08.

O Itaú Unibanco revisou as projeções para a economia dos Estados Unidos e espera que o Federal Reserve (FED), o Banco Central americano, faça apenas um corte de juros em 2024. A previsão anterior considerava três cortes ainda esse ano.

Em relatório distribuído aos clientes e ao mercado, o banco privado estimou que a maior economia do planeta registrará um crescimento no primeiro trimestre de 2,5%, puxado pelo consumo das famílias. A instituição financeira ainda apontou que um dos motivos que explicam a resiliência da atividade é o forte aumento da imigração nos últimos anos, que aumenta o PIB potencial via crescimento mais rápido da força de trabalho.

Leia mais: CME: mercado passa a precificar chance maior de haver apenas 1 corte de juros do Fed este ano

“A alta da imigração ficou mais evidente após a revisão do cenário populacional do CBO [Congressional Budget Office], que passou a estimar entrada de 3 milhões de novos imigrantes por ano, a maior parte puxada por estimativas de imigrantes ilegais [2 milhões], implicando um choque de oferta de emprego na economia. Estimamos que o crescimento da imigração aumenta o PIB potencial em 0,5 ponto percentual, para em torno de 2,5-3,0%”, informou o Itaú.

Emprego em ritmo forte

Com isso, a criação de empregos deve manter o crescimento em ritmo forte, acima da média 200 mil vagas por mês, ao longo do semestre, estimou a instituição financeira. No caso da inflação, apesar da evolução favorável das condições de oferta, surpreendeu para cima em março, pelo terceiro mês consecutivo.

“A elevada persistência da inflação em níveis acima do compatível com a meta diminui a confiança das autoridades de que o salto do primeiro bimestre foi um obstáculo temporário na trajetória de desinflação almejada pelo Fed”, afirmou o Itaú.

Três cortes em 2025

Com isso, o banco privado alterou a expectativa para o início do ciclo de cortes de juros de junho para dezembro, mantendo três cortes no ano que vem. Segundo o Itaú, na reunião de março, os membros do FOMC sinalizaram três cortes de juros no ano como a expectativa mediana do comitê, mas com uma distribuição assimétrica na direção de menos cortes.

“Essa divisão, após nova surpresa na inflação, deve ser suficiente para que a maioria dos membros descarte cortes de juros ainda no primeiro semestre, principalmente em meio a um cenário de crescimento e emprego forte que devem continuar a frente. Esperamos uma taxa terminal de 4,25-4,50%, que seria atingida em setembro do ano que vem”, informou o Itaú.

Acompanhe tudo sobre:Fed – Federal Reserve System

Mais de Economia

Banco Central e CMN aprovam normas para manter oferta de crédito no Rio Grande do Sul

Haddad: juro perdoado para dívida de RS é sobre todo estoque da dívida, de cerca de R$ 100 bi

Banco Mundial presta apoio emergencial de R$ 625 milhões para projetos no RS

Presidente da Apas pede a governadores que não aumentem alíquotas do ICMS

Mais na Exame