Braskem dispara 7% com possível oferta de fundo americano

Apollo Capital teria oferecido 44,57 reais por ação pela participação total de 38,8% da Novonor na petroquímica
 (Paulo Fridman/Corbis/Getty Images)
(Paulo Fridman/Corbis/Getty Images)
Por ReutersPublicado em 07/04/2022 12:46 | Última atualização em 07/04/2022 12:46Tempo de Leitura: 2 min de leitura

As ações da petroquímica Braskem (BRKM5) disparam 7% e lideram os ganhos no Ibovespa nesta quinta-feira, 7. Os papéis reagem à notícia de que a gestora norte-americana Apollo Capital fez uma oferta não-vinculante para adquirir a participação do conglomerado Novonor (ex-Odebrecht) na empresa.

A informação foi publicada pelo jornal Valor Econômico nesta quinta-feira, e a Novonor não comentou. Apollo Capital e Braskem, que também tem a Petrobras como uma de suas principais acionistas, não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

A Apollo ofereceu 44,57 reais por ação pela participação total de 38,8% da Novonor na Braskem, segundo a reportagem, que citou três fontes a par do assunto. A Novonor, anteriormente conhecida como Odebrecht, pode levantar 13,6 bilhões de reais com o negócio nesses termos, segundo o jornal.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

A participação da Novonor na Braskem, no entanto, é dada como garantia aos seus credores, de modo que o conglomerado não pode decidir sobre a venda sem consultar os bancos.

As ações da Braskem fecharam a 42,53 reais na quarta-feira.

Venda da Braskem

Na véspera, o jornal O Estado de S. Paulo disse que a Novonor e a Petrobras voltaram a procurar um comprador no mercado privado, após uma oferta de ações em bolsa ser interrompida no início do ano.

A Braskem divulgou nesta quinta-feira um comunicado com posicionamento de seus controladores sobre as notícias de venda de suas participações.

Segundo a empresa, a Novonor afirmou que segue em andamento com o processo de venda da participação na Braskem e está avaliando todas as alternativas estratégicas, mas afirma que não houve "evolução material em qualquer alternativa e tampouco existem decisões tomadas".

Já a Petrobras reafirmou em mensagem à Braskem que a fatia na empresa faz parte da carteira de ativos à venda pela estatal, porém que não está estruturando nenhuma operação de venda da participação no mercado privado.