Invest

Bolsa japonesa fecha acima de 30 mil pontos com expectativas econômicas

O índice Nikkei terminou em alta de 1,91%, a 30.084,15 pontos

 (Issei Kato/Reuters)

(Issei Kato/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 15 de fevereiro de 2021 às 10h43.

As ações japonesas subiram nesta segunda-feira, fechando em máximas de mais de 30 anos, devido às crescentes expectativas de uma recuperação nos ganhos corporativos e no crescimento econômico.

Conheça o maior banco de investimentos da América Latina e invista com os melhores assessores

O índice Nikkei terminou em alta de 1,91%, a 30.084,15 pontos, retomando o nível psicologicamente importante de 30.000 pela primeira vez desde agosto de 1990.

Os setores de energia, saúde e indústrias lideraram os ganhos.

O Topix mais amplo avançou 1,04% para 1.953,94, fechando em seu nível mais alto desde junho de 1991.

As ações das empresas que relataram ganhos tiveram altas, à medida que os investidores continuaram a apostar em setores que devem apresentar bom desempenho à medida que a economia global se recupera da pandemia do coronavírus.

O Japão deve começar a vacinação contra o coronavírus esta semana, o que também está sustentando os preços das ações.

No entanto, as ações japonesas subiram 8% até agora neste mês, e alguns analistas alertam que o mercado pode estar superaquecido.

"As ações subiram tão rápido que você poderia dizer que ultrapassaram o limite de velocidade", disse Ayako Sera, estrategista de mercado do Sumitomo Mitsui Trust Bank.

As ações também tiveram um impulso depois que os dados mostraram que o Produto Interno Bruto do Japão cresceu mais rápido do que o esperado no quarto trimestre.

Acompanhe tudo sobre:JapãoMercado financeiroNikkei

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2729; prêmio é de R$ 47 milhões

As despesas médicas que podem ser deduzidas na declaração do Imposto de Renda

Auxílio Reconstrução de R$ 5,1 mil: moradores do RS devem confirmar dados a partir de segunda-feira

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Mais na Exame