Mercados

B2W sobe mais de 10% com possível fechamento de capital

A controladora Lojas Americanas decidiu fazer uma oferta para fechar o capital da companhia, segundo o jornal Valor Econômico

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de maio de 2012 às 12h02.

São Paulo - A B2W Cia. Global do Varejo tinha a maior alta em oito meses e figurava entre as maiores altas entre membros do Ibovespa após o jornal Valor Econômico dizer que a controladora Lojas Americanas SA decidiu fazer uma oferta para fechar o capital da companhia.

As ações subiam 10,25 por cento, para R$ 7,10, às 11:51, maior alta intradiária desde 13 de setembro. A Lojas Americanas operava em alta de 1,2 por cento, cotada a R$ 13,18, a terceira maior entre os membros do índice MSCI Brazil/Consumer Discretionary, que avançava 0,9 por cento.

A Lojas Americanas tomou a decisão de fazer uma oferta para fechar o capital da B2W, segundo reportagem do jornal de hoje, que não especifica como obteve a informação. A OPA seria uma maneira de reduzir riscos na B2W, após a companhia registrar prejuízo de R$ 42,8 milhões, acima do esperado.

“Se a Lojas Americanas insistir em investir na B2W, as ações da Americanas devem sofrer”, disse o analista Gustavo Pires Oliveira, do UBS Corp., em relatório com a data de ontem. “Uma parceria estratégica parece uma forma mais prudente e elegante de saída, o comércio eletrônico é um negócio altamente competitivo em que novas janelas de oportunidade são criadas em questão de semanas. A B2W tentou, mas as coisas não vão bem.”

A Lojas Americanas disse que não comenta rumores de mercado, segundo nota enviada por e-mail por sua assessoria de imprensa.

Acompanhe tudo sobre:B2WB3bolsas-de-valoresComércioEmpresasEmpresas brasileirasEmpresas de internetVarejo

Mais de Mercados

Cenário é potencialmente o mais perigoso desde a 2ª Guerra, diz Jamie Dimon, CEO do J.P. Morgan

Bancos abrem temporada de balanços em queda nos EUA; Wells Fargo despenca 7%

Ibovespa sobe pelo 10º pregão seguido e fecha próximo dos 129 mil pontos

Balanços de bancos americanos, PPI dos EUA e pesquisa de serviços do Brasil: o que move o mercado

Mais na Exame