Acompanhe:

Ambiente de negócios enfraquecido dificulta recuperação das empresas e varejo, diz Fitch

Varejistas que operam serviços financeiros ao consumidor continuarão registrando piora nas taxas de inadimplência, o que pode limitar vendas, observa agência

Modo escuro

Continua após a publicidade
Black Friday - Shopping Rio Poty - Teresina Piaui - Le Biscuit - Eletrodomesticos - Consumo - Consumidor - Inflação - Comércio - Varejo - Vendas - 

Foto: Leandro Fonseca
24/11/2021 (Leandro Fonseca/Exame)

Black Friday - Shopping Rio Poty - Teresina Piaui - Le Biscuit - Eletrodomesticos - Consumo - Consumidor - Inflação - Comércio - Varejo - Vendas - Foto: Leandro Fonseca 24/11/2021 (Leandro Fonseca/Exame)

R
Raquel Brandão

Publicado em 19 de dezembro de 2022 às, 16h56.

A perspectiva do setor de varejo no Brasil em 2023 é de deterioração, de acordo com a agência de classificação de risco Fitch Ratings.

De acordo com relatório da agência, o baixo crescimento econômico esperado para o próximo ano, combinado à manutenção de altos patamares de juros, elevado endividamento das famílias e incertezas quanto à sustentabilidade dos baixos índices de inflação registrados nos últimos meses deverão limitar a demanda do setor e pressionar a geração de caixa das empresas.

A Fitch projeta uma desaceleração expressiva no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, passando dos 3% esperados em 2022 para 0,7% em 2023.

“Setores discricionários, de maior tíquete e dependentes de crédito, como é o caso de eletroeletrônicos, bens de consumo duráveis e vestuário, são os mais vulneráveis à severa restrição de renda”, afirma Renato Donatti, diretor da Fitch.

As políticas macroeconômicas do novo governo, especialmente no que se refere à melhora sustentável da economia e à recuperação do poder de compra da população, devem ser observadas, pois indicarão o direcionamento do setor no próximo ano, explica a agência.

Varejistas que operam serviços financeiros ao consumidor continuarão registrando piora nas taxas de inadimplência, o que reduziria sua flexibilidade para aumentar a oferta de crédito e fomentar as vendas no próximo ano. Nesse contexto, Donatti argumenta que a capacidade das varejistas de ajustar investimentos e gerenciar custos e despesas será chave para a preservação dos perfis de crédito dessas empresas.

A Fitch também acredita que a tendência de fusões e aquisições se mantém. Segundo os analistas da agência, as varejistas devem continuar buscando aumento de escala e diversificação por meio dessas operações. "Empresas bem estabelecidas vêm acelerando estes movimentos, apoiadas na abundante liquidez advinda de ofertas públicas de ações e dos mercados de dívidas."

Até esta segunda-feira, 19, 80% do portfólio tinham perspectiva estável ou positiva e apenas 20% (três empresas), apresentavam perspectiva negativa.

Últimas Notícias

Ver mais
Como a Nvidia (NVDA) virou destaque entre as Big Techs
seloMercados

Como a Nvidia (NVDA) virou destaque entre as Big Techs

Há 12 horas

Nubank reporta números fortes no 4T23, mas divide mercado; saiba o que dizem os analistas
seloMercados

Nubank reporta números fortes no 4T23, mas divide mercado; saiba o que dizem os analistas

Há 12 horas

Bolsas da Europa fecham em alta, com nova marca histórica do Stoxx 600; StanChart puxa Londres
seloMercados

Bolsas da Europa fecham em alta, com nova marca histórica do Stoxx 600; StanChart puxa Londres

Há 15 horas

Lucro em queda, ação em alta: Vale (VALE3) tem resultados fracos no 4T23, mas acima das expectativas
seloMercados

Lucro em queda, ação em alta: Vale (VALE3) tem resultados fracos no 4T23, mas acima das expectativas

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais