Inteligência Artificial

Marco Legal da IA: texto preliminar é apresentado no Senado por Eduardo Gomes

Relatório preliminar sobre o novo Marco Legal de IA reúne discussões anteriores sobre o tema; a meta é posicionar o Brasil como líder em ética e desenvolvimento tecnológico até o G20

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 25 de abril de 2024 às 15h07.

Última atualização em 25 de abril de 2024 às 15h39.

Tudo sobreInteligência artificial
Saiba mais

Na última quarta-feira, o Senado brasileiro, por meio da Comissão Temporária Interna sobre Inteligência Artificial, recebeu um relatório preliminar crucial para o futuro da regulamentação de inteligência artificial (IA) no país. O documento, preparado pelo senador Eduardo Gomes (PL-TO), sintetiza propostas de dez projetos em tramitação que buscam estabelecer diretrizes claras e eficazes para o uso e desenvolvimento da IA no Brasil.

Destaca-se entre os projetos o PL 2.338/2023, de autoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que propõe a criação do Marco Legal da Inteligência Artificial (IA). Esse marco pretende não apenas regular, mas também promover o desenvolvimento responsável e ético da IA, alinhado aos princípios democráticos e ao respeito aos direitos humanos.

O senador Gomes enfatizou a importância de o Brasil não ficar atrás de outros países que já avançaram significativamente na regulamentação da IA. Na apresentação, Gome mencionou a necessidade de uma ação coordenada para que o país possa se destacar durante o encontro do G20, programado para 18 e 19 de novembro.

Senador Eduardo Gomes: regulamentar a IA no Brasil antes da reunião do G20

A elaboração do texto final foi descrita como um esforço colaborativo pelo presidente da comissão, senador Carlos Viana (Podemos-MG). O relatório será refinado com as contribuições de desenvolvedores, juristas e especialistas até o dia 8 de maio, seguindo para votação conforme o cronograma regimental.

A necessidade de um marco regulatório efetivo foi também reforçada pelo ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência, Alexandre Padilha. Ele salientou que um ambiente regulatório bem definido é essencial para atrair investimentos e estimular o crescimento econômico por meio de inovações tecnológicas.

Entre as disposições do futuro marco legal, está a proibição de usos de IA que comprometam a saúde dos indivíduos ou incentivem comportamentos prejudiciais. Também será criado o Sistema Nacional de Regulação e Governança de Inteligência Artificial (SIA), responsável por regulamentar aplicações de alto risco e garantir um controle humano significativo sobre sistemas de armas autônomas.

O relatório reafirma o compromisso do Brasil com um desenvolvimento tecnológico que seja tanto inovador quanto responsável, preparando o país para ser um exemplo global em ética tecnológica e inovação.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

Dados de crianças brasileiras são usados em treinamento de IA sem consentimento, revela relatório

Nova lei na Califórnia quer "botão de desligar" da IA e gera oposição das empresas de tecnologia

IA da Domino's prevê pedidos de pizza antes de serem feitos

Adobe atualiza termos de uso e sugere usar artes feitas por usuários para treinar IAs

Mais na Exame