Inteligência Artificial

Maioria dos CEOs considera prioritário investimento em inteligência artificial, revela pesquisa

A maior parte dos CEOs, no entanto, temem problemas éticos e com a falta de regulação sobre uso da tecnologia

Máquinas inteligentes; saiba o que é inteligência artificial, como ela funciona e onde pode ser encontrada hoje (zf L/Getty Images)

Máquinas inteligentes; saiba o que é inteligência artificial, como ela funciona e onde pode ser encontrada hoje (zf L/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 14 de outubro de 2023 às 09h52.

Pesquisa com mais de 1.300 CEOs pelo mundo mostra que a grande maioria deles (72%) considera que o investimento em inteligência artificial (IA) é prioritário, mas 81% temem problemas éticos e com a falta de regulação sobre o uso da tecnologia. Os dados são do relatório "CEO Outlook 2023? da consultoria KPGM.

O levantamento também mostra que 90% dos CEOs consideram premiar funcionários que optarem por trabalhar presencialmente, dando tarefas melhores, aumentos e promoções.

Segundo a KMPG, 62% dos executivos gostariam que o modelo presencial fosse adotado nos próximos três anos. É uma grande mudança em relação a 2022, quando apenas 34% queriam isso (então a expectativa neste ano quase dobrou).

Para 34% dos CEOS, os funcionários devem ficar no modelo híbrido e somente 4% defendem o trabalho de forma totalmente remota.

Veja alguns destaques do levantamento com CEOs:

  • 62% gostariam que trabalho presencial fosse predominante na empresa
  • 90% dizem que premiariam aqueles que optassem pelo presencial
  • 81% temem falta de regulação de IA
  • 72% dizem que o investimento em IA é prioritário
  • 57% dizem estar investindo em novas tecnologias
  • 43% que dizem estar investindo em capacitação de pessoal

Investimento em IA é prioridade, mas falta de regulação preocupa

A pesquisa aponta para as mudanças que a difusão de inteligência artificial (IA) generativa pode ter nos ambientes de trabalho.

Entre eles, 81% dos CEOs ouvidos expressaram preocupação sobre como a falta de regulação da IA pode impedir o sucesso de suas empresas. Eles citam também problemas éticos e de custo como preocupações para o uso de IA.

Mas 77% dizem que o grau de regulação de IA deveria emular aquele utilizado para compromissos climáticos.

"CEOs estão cada vez mais conscientes dos riscos éticos e da evolução rápida das regulações ligados à IA generativa. Muitos estão tomando atitudes proativas para enfrentar esses pontos", afirma Steve Chase, vice-presidente de IA e Inovação Digital da KPMG, em trecho do relatório.

Do total, 72% dos CEOs dizem que o investimento nesse tipo de tecnologia é prioritário, apesar de incertezas econômicas. A maioria aponta ainda que está investindo mais na compra de novas tecnologias (57%) do que no desenvolvimento de habilidades e capacitação de pessoal (43%).

Quando questionados sobre as vantagens da implementação de IA em suas organizações, os CEOs citam o aumento de lucro, oportunidades de crescimento e de criação de novos produto, como alguns dos principais ganhos.

Investimentos em ESG devem trazer retorno

Os CEOs ouvidos pelo levantamento se mostram confiantes com o crescimento de suas empresas (79%) e da economia global (77%), apesar de dificuldades estruturais, como inflação, alto custo para captação de capital, transição energética e mudanças no mercado de trabalho.

As maiores dificuldades para crescimento apontadas por eles dizem respeito a incertezas geopolíticas e ao surgimento de novas tecnologias.

Enquanto isso, a maioria dos CEOs veem que investimentos em políticas ESG devem trazer retorno financeiro e de reputação em até cinco anos. 58% esperam retorno entre três e cinco anos, enquanto 24% entre um e três anos.

"Cadeias de suprimentos complicadas, escassez de talentos e relatórios climáticos complexos são desafios, mas os CEOs também entendem que falhas em agir podem resultar em abrir espaço para concorrentes, o que pode ser muito mais custoso no longo prazo", aponta o líder de ESG da KPGM dos EUA, Rob Fisher, em trecho do relatório.

A maioria dos CEOs também disse estar aberta para oportunidades de fusões e aquisições, com 54% deles apontando que estão dispostos a apostar em aquisições que terão um impacto significativo nas suas companhias.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialPesquisaKPMG

Mais de Inteligência Artificial

Mira Murati, da OpenAI, responde a Elon Musk sobre integração com Apple

Musk retira processo contra OpenAI um dia após criticar acordo com Apple

O que o acordo OpenAI-Apple significa para Google e Microsoft

Mistral AI levanta US$ 645 milhões e atinge valor de US$ 6,5 bilhões

Mais na Exame