Inteligência Artificial

Inteligência artificial, recrutamento e como lidar com a escassez de habilidades

Os resultados do estudo "Talent Acquisition at a Crossroads", conduzido pela AMS, são preocupantes

Imagem gerada por @inventormiguel pelo MidJourney (MidJourney/Reprodução)

Imagem gerada por @inventormiguel pelo MidJourney (MidJourney/Reprodução)

Miguel Fernandes
Miguel Fernandes

Chief Artificial Intelligence Officer da Exame

Publicado em 26 de abril de 2024 às 14h33.

Tudo sobreInteligência artificial
Saiba mais

Como Diretor de Inteligência Artificial aqui na EXAME e fundador da Witseed, empresa especializada em tecnologias para aprendizagem comprada pela EXAME ano passado, venho acompanhando de perto as pesquisas globais sobre RH e talentos.

Os resultados do estudo "Talent Acquisition at a Crossroads", conduzido pela AMS (renomada provedora global de serviços de aquisição de talentos) e divulgados essa semana, são preocupantes. 

Segundo a pesquisa, apenas 32% dos líderes de aquisição de talentos estão envolvidos em alguma forma de planejamento estratégico da força de trabalho, 42% acreditam que sua empresa não tem nenhum plano de força de trabalho e 46% dizem que estão "correndo para se manter atualizados". E quando ocorrem demissões, muitas vezes os recrutadores são os primeiros a serem cortados, como aconteceu recentemente na Tesla.

Escassez de habilidades

Tudo isso está acontecendo em um mundo onde 58% das empresas sentem que a escassez de habilidades está impactando significativamente seus planos de negócios, mais de 3/4 acreditam que devem transformar suas práticas de talentos para crescer — e a "contratação baseada em habilidades" é uma prioridade, mas difícil de implementar.

Aqui no Brasil, enfrentamos desafios semelhantes. Li uma pesquisa recente que mostrou que os CEOs classificam a "contratação" como o terceiro processo mais burocrático em suas empresas. Eles ficaram empatados com "muitos e-mails" e "muitas reuniões" como um processo que desperdiça tempo. E isso explica por que dois terços dos líderes de aquisição de talentos estão sendo pressionados a cortar custos.

Recrutamento e estratégia

Mas cortar gastos com recrutamento é uma estratégia míope. Aqui na EXAME tenho a oportunidade de conversar com diversas empresas de vários setores, e é nítido que as organizações de alto desempenho se concentram fortemente na contratação interna, usam ferramentas de inteligência de talentos para encontrar talentos ocultos e investem no desenvolvimento interno contínuo para preencher as lacunas de habilidades.

A tecnologia tem um papel fundamental nessa reinvenção do recrutamento. Novos sistemas baseados em IA, como HiredScore (recentemente adquirido pela Workday), Paradox (líder em IA conversacional), Eightfold, Gloat, Draup e Lightcast (pioneiros em inteligência de talentos), podem reduzir o tempo de contratação de meses para semanas e de semanas para dias.

Não basta só tecnologia

Mas a tecnologia não é a resposta completa. As empresas também precisam transformar o papel dos recrutadores em "consultores de talentos", com profundo conhecimento de cargos, habilidades e da dinâmica organizacional. Empresas líderes como a Mastercard já estão nesse caminho, renomeando seus recrutadores como "Coaches de Carreira".

Meu conselho para as empresas brasileiras é claro: elevem a aquisição de talentos a uma função estratégica, integrada com treinamento, gestão de carreira e engajamento dos funcionários. Invistam em tecnologia, mas também nas habilidades dos seus recrutadores. E, acima de tudo, coloquem as pessoas no centro da sua estratégia de talentos.

É um desafio complexo, eu sei. Mas também é uma enorme oportunidade. As empresas que conseguirem reinventar a aquisição de talentos estarão muito mais bem posicionadas para atrair e reter os melhores profissionais, impulsionando a inovação e o crescimento dos seus negócios.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialRecrutamentoRecursos humanos (RH)

Mais de Inteligência Artificial

IA vira arma para hackers e empresas se encontram sem profissionais qualificados

Para surfar a onda da IA, Samsung promete aos clientes fábrica de chips 20% mais rápida

Amazon enfrenta desafios para integrar IA generativa na Alexa, revelam ex-funcionários

Mira Murati, da OpenAI, responde a Elon Musk sobre integração com Apple

Mais na Exame