Inteligência Artificial

Em quanto tempo a IA vai ficar mais inteligente que humanos? Musk e CEO chinês têm palpites

Executivos têm pensamentos contrastantes sobre a evolução imediata da tecnologia

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 24 de maio de 2024 às 15h17.

Elon Musk prevê que a inteligência artificial mais inteligente que os humanos, conhecida como AGI (Inteligência Artificial Geral), estará disponível em dois anos. No entanto, Robin Li, CEO da Baidu, uma das maiores empresas de tecnologia da China, acredita que esse desenvolvimento está a mais de 10 anos de distância. As informações são da CNBC.

Durante uma palestra na conferência VivaTech em Paris, Li afirmou que a tecnologia AGI ainda está longe de atingir a inteligência humana e que o ritmo de desenvolvimento da IA é muito lento.

Musk, CEO da Tesla, declarou que a AGI provavelmente estará disponível até 2026. Já Sam Altman, CEO da OpenAI, sugeriu que a AGI poderia ser desenvolvida em um futuro "razoavelmente próximo". Li, no entanto, discorda dessas previsões otimistas e acredita que ainda há um longo caminho a percorrer.

AI ou inteligência humana?

Li destacou que os modelos de IA mais poderosos de hoje ainda não alcançam a inteligência humana e que é incerto como atingir esse nível de inteligência. Ele expressou preocupação com o ritmo de desenvolvimento da IA considerando-o lento em comparação com o potencial que a tecnologia pode oferecer.

A Baidu, juntamente com outras grandes empresas chinesas como Alibaba e Tencent, está investindo fortemente em modelos de IA semelhantes aos desenvolvidos por empresas americanas. No entanto, Li apontou que, enquanto nos EUA e na Europa o foco está na criação de modelos de base poderosos, na China a ênfase está nas aplicações práticas da tecnologia.

Baidu lidera AI na China

No ano passado, a Baidu lançou seu chatbot no estilo ChatGPT chamado Ernie, baseado no modelo de linguagem de mesmo nome da empresa. Apesar desses avanços, Li reconheceu a falta de um "aplicativo matador" para a IA comparando a situação atual com a era móvel, onde aplicativos como Instagram e TikTok atraem centenas de milhões de usuários diários.

Li questionou qual seria a forma ideal para os aplicativos nativos de IA e quais deles conseguiriam alcançar a marca de 100 milhões de usuários. Essa diferença de abordagem entre o desenvolvimento tecnológico nos diferentes países pode influenciar o ritmo e a direção do avanço da IA nos próximos anos.

Enquanto Musk e outros visionários como Sam Altman estão otimistas quanto à chegada iminente da AGI, a perspectiva mais cautelosa de Li sugere que o caminho para uma IA verdadeiramente inteligente ainda está cheio de desafios e incertezas.

A comparação entre as previsões de Musk e Li destaca as diferentes abordagens e expectativas em relação ao futuro da IA. Enquanto Musk acredita que a AGI está ao virar da esquina, Li adverte que ainda há muitos obstáculos a serem superados antes que a IA possa rivalizar com a inteligência humana.

Apesar das divergências, ambos concordam que a IA continuará a evoluir rapidamente e terá um impacto significativo na sociedade. A questão é quanto tempo levará para que essa evolução atinja seu potencial máximo e como isso moldará o futuro da tecnologia e da humanidade.

Acompanhe tudo sobre:elon-muskChinaInteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

Para surfar a onda da IA, Samsung promete aos clientes fábrica de chips 20% mais rápida

Amazon enfrenta desafios para integrar IA generativa na Alexa, revelam ex-funcionários

Mira Murati, da OpenAI, responde a Elon Musk sobre integração com Apple

Musk retira processo contra OpenAI um dia após criticar acordo com Apple

Mais na Exame