Vasco anuncia coleção de NFTs que vai dar camisas de jogadores

Colecionáveis estarão vinculados a benefícios físicos, como ingressos e outras vantagens para os compradores

Coleção de NFTs do Vasco será lançada ainda em 2023 (ismagilov/Getty Images)

Coleção de NFTs do Vasco será lançada ainda em 2023 (ismagilov/Getty Images)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 30 de março de 2023 às 11h12.

Última atualização em 30 de março de 2023 às 11h39.

O Vasco da Gama, um dos clubes mais tradicionais do futebol brasileiro, anunciou na última quarta-feira, 29, uma parceria com a startup Tero Labs para o lançamento de uma coleção de "figurinhas digitais", ou tokens não-fungíveis (NFTs, na sigla em inglês). Ela deve ser disponibilizada para o público nos "próximos dias", mas sem data oficial até o momento.

De acordo com os responsáveis pela iniciativa, os novos criptoativos do Vasco estão atrelados a um programa de benefícios aos detentores das “figurinhas digitais”, como a oferta de brindes e ingressos para jogos. Em entrevista ao Cointelegraph Brasil, o CEO da Tero Labs, Bruno Pessoa, revelou que 33 camisas utilizadas pelos jogadores do time em jogos serão enviadas para os proprietários da coleção, cujos preços e outros detalhes ainda estão sendo definidos.

“Estamos fazendo isso [a coleção] com base em um estudo que mostra que, cada vez mais, os usuários detentores de NFTs querem ter alguma espécie de benefício exclusivo que só aquela comunidade tem, e hoje não há nenhum outro local onde você possa ter acesso a itens exclusivos de jogadores de futebol no Brasil”, explicou Pessoa.

Fernanda Gélio, gerente de inovação do Vasco da Gama, destacou que o clube sabe da "importância da democratização da inovação e entendemos que a melhor forma de iniciar esse processo é associando o ativo digital com algo tangível. É com esse pensamento que o Vasco vem ao mercado com este novo projeto, visando o potencial de aproximação do torcedor não só com o Clube como também com os atletas".

Pessoa acrescentou que os NFTs do Vasco serão parte integrante do ecossistema da Tero Labs. A ideia da startup é criar uma plataforma única integrada por vários times de futebol com as figurinhas digitais dos jogadores, possibilitando o acúmulo de pontos para o resgate de itens na loja da startup, a Tero Store.

“Você tem uma figurinha [NFT] do Vasco, do Pedro Raul, e o Pedro Raul fez um gol e o detentor daquela figurinha ganha pontos que podem ser trocados dentro da loja, então a gente está incluindo isso tudo dentro do nosso ecossistema”, ressaltou o executivo.

Coleção de NFTs do Vasco

Em relação à coleção do Vasco, todos os atuais jogadores do elenco profissional do time carioca terão suas figurinhas digitais dividas em quatro níveis: Lendária (1 de cada atleta), Réplicas (29 de cada atleta), Raras (70 de cada atleta), Comuns (1010 de cada atleta).

Quanto mais raro for o NFT, maior o número de pontos adquiridos após o desempenho do jogador. O recebimento de itens exclusivos do Vasco depende do acúmulo de pontos após cada partida, o que pode representar até a camisa oficial de jogo utilizada por determinado atleta. A parceria é válida por um ano e terá seu início no Campeonato Brasileiro de 2023.

Em outra iniciativa nesse segmento, a Tero Labs anunciou o lançamento da Tero Store, plataforma de figurinhas digitais voltada ao resgate de itens exclusivos da coleção Rough Diamonds, que reúne artes digitais de jogadores famosos de futebol em todo o mundo.

Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:NFTsVascoCriptoativosFutebol

Mais de Future of Money

Bitcoin pode ter "verão das finanças descentralizadas" após halving, diz gestora bilionária

Brasileiros investem R$ 28,7 milhões em fundos de cripto e ignoram queda internacional

Mineradores podem trocar bitcoin por inteligência artificial após halving; entenda

Blockchain ajuda na inclusão financeira, mas não é "varinha mágica", diz executivo

Mais na Exame