• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Transparência em gastos públicos: TCU e BNDES detalham uso de blockchain

Rede Blockchain Brasil está sendo desenvolvida entre ambas as instituições para melhorar a administração pública brasileira
Empresas e instituições interessadas poderão submeter um termo de adesão para avaliação (Getty Images/SOPA Images)
Empresas e instituições interessadas poderão submeter um termo de adesão para avaliação (Getty Images/SOPA Images)
Por Mariana Maria SilvaPublicado em 10/05/2022 17:36 | Última atualização em 10/05/2022 17:36Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Anunciada em 18 de abril, a Rede Blockchain Brasil vem para melhorar a transparência dos gastos públicos no país. O projeto foi idealizado em 2018 e tem previsão de 60 meses de colaboração entre o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A rede será pública e sem fins lucrativos, desenvolvida com base no Hyperledger Besu 2.0 e inspirada por modelos similares em outros países da América Latina e Europa. Trazendo mais segurança para os atos e contratos da administração pública, a RBB inicia uma preparação para a utilização, no futuro, do blockchain em ações de controle externo.

Além de promover a inovação no uso da tecnologia blockchain para as aplicações de interesse público, a Rede Blockchain Brasil também vai estimular o uso de tecnologia na administração pública, de acordo com um porta-voz do TCU à EXAME.

Gladstone Arantes, especialista em blockchain do BNDES, é uma das pessoas diretamente envolvidas com o projeto, sobre o qual deu detalhes ao Future of Money. Além da Rede Blockchain Brasil, Arantes ainda trabalhou no desenvolvimento do BNDES Token, projeto piloto desenvolvido em 2019 que deu origem à ideia que posteriormente viraria a RBB, de acordo com o especialista.

“Um dos aprendizados daquela experiência pioneira foi exatamente a necessidade de uma infraestrutura como a RBB”, contou.

(Mynt/Divulgação)

A rede, segundo Gladstone, vai rodar em um modelo de consenso de prova de autoridade. Isso significa que não haverá mineração, nome utilizado para um mecanismo de consenso que utiliza o poder computacional para verificar as transações no blockchain e gera controvérsia por conta de seu grande uso de energia elétrica.

“Será uma rede público-permissionada. Público porque será transparente para o público, que poderá ter acesso ao seu conteúdo, suas transações e contratos inteligentes. Permissionada porque os nós que participam do chamado algoritmo de consenso - o núcleo da rede que valida as transações - são conhecidos e se coordenam através de um processo chamado Proof of Authority. Assim, a RBB não precisa fazer uso de algoritmos que gastam muita energia, nem exige remuneração via criptomoedas para realização de transações”, explicou Gladstone.

A forma como os nós verificadores da Rede Blockchain Brasil funciona também pode facilitar a adoção governamental da tecnologia. “É importante observar que, dado que tais nós serão conhecidos e estarão sujeitos à jurisdição da lei brasileira, a adoção da tecnologia pelo governo também será facilitada do ponto de vista legal”, acrescentou Glastone, à EXAME.

A hiperconexão do governo, o combate à fraude e à corrupção, e a otimização dos serviços digitais prestados ao cidadão são alguns dos benefícios proporcionados pelo uso da tecnologia foram alguns dos benefícios citados pelo TCU à EXAME. De acordo com Glastone Arantes, ainda não é possível prever exatamente como o projeto irá se desenrolar neste sentido, mas as perspectivas são boas.

“Em tese, todos os órgãos e instituições públicas podem se beneficiar, dado que transparência e confiança são valores centrais para o setor público. De qualquer forma, é da natureza das inovações disruptivas, e mais ainda das inovações em rede, que não seja possível antecipar tudo que pode acontecer. Ficarei surpreso se não ficar surpreso com o que vão construir sobre uma infraestrutura com essas características no futuro”, disse Glastone.

A Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev), PUC-Rio, Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais (Prodemge), Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Espírito Santo (Prodest) e Laboratório de inovação do American Development Bank Group (IDB LAB) também são parceiros na elaboração da RBB.

A Rede Blockchain Brasil pode ser disponibilizada ainda em 2022. Gladstone Arantes explicou que para o desenvolvimento de uma tecnologia tão complexa, existem etapas a cumprir para a sua disponibilização. “Temos uma rede de laboratório já em operação. O Acordo de Cooperação inclui um Plano de Trabalho que prevê 6 meses para implantação de uma rede piloto, que será uma rede de uso real, mas ainda com limitações em sua operação”, contou.

De acordo com o Tribunal de Contas da União, a adoção da tecnologia blockchain por instituições públicas ou de interesse público é muito incentivada com o projeto. Elas podem participar da Rede Blockchain Brasil “com o intuito de criar, fortalecer e manter o ecossistema de inovação voltado para essa tecnologia”, afirmou o Tribunal. Para isso, será preciso apresentar Termo de Adesão, que passará por uma avaliação da equipe de governança do projeto, formada por membros do TCU e do BNDES.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok