Future of Money

O que são e como funcionam as carteiras físicas de cripto

Uma das formas mais seguras e práticas de guardar suas chaves privadas, as hard wallets ainda são um dos meios menos utilizados para acessar criptoativos

As carteiras de hardware armazenam as chaves privadas que dão acesso às suas criptomoedas de forma física (Denes Farkas/Thinkstock)

As carteiras de hardware armazenam as chaves privadas que dão acesso às suas criptomoedas de forma física (Denes Farkas/Thinkstock)

Quando se trata de armazenar criptoativos, o investidor tem três escolhas: confiar em uma corretora, deixar em uma carteira digital, ou investir em uma Hard Wallet, ou carteira física. A última é talvez a menos utilizada, por demandar conhecimento técnico e também por precisar de mais um investimento: carteiras de marcas famosas como a Ledger custam em torno de R$ 700 até R$ 1.900.

Parte do grupo chamado de Cold Wallets, ou carteiras frias, as Hard Wallets não se conectam em nenhum momento à internet. Isso as torna mais seguras contra ataques hacker e invasões, seu principal ponto de atratividade. Toda carteira é dona de uma chave privada, que dá acesso às criptomoedas. O verdadeiro dono dessas chaves é o real dono dos ativos. No caso de uma corretora, ela detém as chaves e promete entregar as moedas digitais quando solicitada.

Em geral, são como pen drives em aparência física, se conectando aos computadores através de um cabo USB, o que acaba se tornando também um de seus pontos negativos: para acessar seus recursos é necessário ter a carteira física sempre com você. Outro ponto negativo é a necessidade constante de um backup físico, no caso da Wallet falhar, ou ser perdida.

(Mynt/Divulgação)

Seus pontos negativos também são seus maiores benefícios, por ser tão fechada, nenhum fundo foi roubado de uma Hard Wallet, garantindo seu lugar como um método seguro. Além disso, para carteiras de valores maiores, as carteiras físicas se tornam mais atraentes, já que provém segurança a um valor razoável.

É importante dizer que as criptomoedas em si estão armazenadas em um blockchain. A chave privada, contida dentro de sua carteira, é somente uma forma de acessá-las.

Em última instância, caso o usuário perca acesso à Hard Wallet por qualquer motivo, pode recuperar seus criptoativos através da palavra semente, ou seed phrase, que funciona de forma parecida com um gerenciador de senhas, pois é a responsável por ajudar a criar as chaves privadas necessárias para enviar e receber criptomoedas. Composta de 12 a 24 palavras aleatórias extraídas de uma lista de 2.048 palavras simples, a frase semente surgiu e foi amplamente adotada após a Proposta de Melhoria do Bitcoin 39 em 2013.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok

Acompanhe tudo sobre:BitcoinBlockchainCriptoativosCriptomoedas

Mais de Future of Money

Empresa planeja venda de ações para comprar US$ 500 milhões em bitcoin

União de cripto com IA pode ser megatendência de US$ 20 trilhões, diz relatório

Mineradoras de bitcoin disparam após Trump prometer apoiar o setor nos EUA

Bitcoin vai continuar caindo? Saiba como o cenário macro dos EUA impacta a criptomoeda

Mais na Exame