Future of Money

Certificação obrigatória no mercado financeiro vai exigir conhecimentos de Python e IA

CFA Institute divulgou novas diretrizes para os conhecimentos cobradas nos testes realizado por profissionais de investimento

Uso de inteligência artificial já é uma realidade no mercado financeiro (Reprodução/Reprodução)

Uso de inteligência artificial já é uma realidade no mercado financeiro (Reprodução/Reprodução)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 21 de março de 2023 às 14h42.

Última atualização em 21 de março de 2023 às 15h18.

O CFA Institute, uma das mais famosas entidades que oferecem certificações de qualificação para profissionais do mercado financeiro, atualizou na última segunda-feira, 20, suas diretrizes para a composição do programa usado para avaliar investidores. Uma das principais novidades foi a inclusão de conhecimentos sobre inteligência artificial entre os conhecimentos exigidos.

De acordo com um comunicado divulgado pelo instituto, o objetivo das mudanças é evoluir o atual programa de avaliação de profissionais de investimentos, "abordando a forma como os candidatos de hoje aprendem e se preparam para carreiras de sucesso como profissionais de investimento, ao mesmo tempo que fornecem à indústria os profissionais éticos e bem treinados de que ela precisa".

Uma das principais mudanças anunciadas foi a criação de novos módulos para avaliação em torno de "habilidades digitais práticas". Eles incluem modelagem financeira, habilidades analíticas, fundamentos de programação em Python, ciência de dados e inteligência artificial.

A partir de 2024, pelo menos uma dessas áreas precisará ser incluída nas exigências para níveis 1 e 2 dos programas de formação da CFA. A ideia é que novos módulos sejam desenvolvidos também para o currículo do nível 3, o mais avançado na certificação dos profissionais.

Outras mudanças incluíram a adição de material prático, a redução do volume de material de estudo por nível e o desenvolvimento de especializações a partir do nível 3, que contará com três versões diferentes que os candidatos poderão seguir e um núcleo curricular comum.

Novo currículo

"Essas melhorias representam um marco importante para nossos candidatos e empregadores do setor. Na verdade, elas constituem as mudanças mais significativas que já fizemos no programa da CFA desde seu início em 1963. Realizamos uma extensa pesquisa para obter feedback diretamente de empregadores, candidatos, possíveis candidatos e da indústria em geral para informar a melhor forma de avançar o conhecimento e as habilidades que fornecemos aos profissionais de investimento do futuro", destaca Margaret Franklin, CEO do CFA Institute.

Ela afirmou ainda que "os candidatos estão excepcionalmente interessados ​​em obter uma vantagem no mercado de trabalho e estão dispostos a trabalhar muito para obter a vantagem que o programa da CFA oferece. Essas mudanças atenderão às suas necessidades, ajudando-os a entender como colocar os conceitos de investimento em prática no trabalho e estar prontos para a mesa desde o primeiro dia".

Com uma popularidade crescente, o uso de inteligência artificial já é uma realidade no mercado financeiro de diversos países, incluindo o Brasil. A tecnologia possui diversas aplicações, desde a análise de dados para obtenção de tendências até o uso para realização de investimentos.

Para você que adora ler notícias de cripto, a Mynt é o aplicativo ideal. Invista e aprenda sobre cripto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialInvestidoresMercado financeiro

Mais de Future of Money

Ton, blockchain ligado ao Telegram, bate recorde e chega a R$ 3 bilhões em investimentos

Investidores de criptomoedas deveriam estar em pânico, diz fundador de fundo

Binance é acusada de racismo por publicação nas redes sociais e culpa estagiário

Mineradoras de bitcoin listadas nos EUA atingem maior valor da história

Mais na Exame