Future of Money

Inteligência artificial, blockchain e mais: qual será a tecnologia dos empregos do futuro?

Carreiras de profissionais de todas as áreas estão sendo impactadas pelo surgimento de novas tecnologias; descubra as tendências do mercado e como se adaptar

Curso de Inteligência Artificial para Negócios da EXAME está com desconto  (Getty Images/Reprodução)

Curso de Inteligência Artificial para Negócios da EXAME está com desconto (Getty Images/Reprodução)

Mariana Maria Silva
Mariana Maria Silva

Repórter do Future of Money

Publicado em 18 de junho de 2024 às 15h41.

Última atualização em 18 de junho de 2024 às 17h20.

Tudo sobreTecnologia
Saiba mais

Em 2023, o “boom” do ChatGPT veio para mostrar que a possibilidade de humanos serem substituídos por máquinas não está apenas nos filmes de ficção científica. Dados de uma pesquisa realizada pela Ipsos revelam que 50% dos brasileiros teme ser substituído pela inteligência artificial (IA) no trabalho em 2024.

No entanto, estar atualizado sobre tecnologias como IA e blockchain pode ajudar profissionais a conquistar novas posições de destaque no mercado de trabalho, de acordo com especialistas ouvidos pela EXAME.

IA e cibersegurança

Para Henrique Gamba, managing partner na Kinp Group, empresa especializada em recrutamento de executivos, o mercado de profissionais de tecnologia está “quente”, principalmente com vagas voltadas para inteligência artificial e cibersegurança. Pensando em cargos mais altos na tecnologia, para além do conhecimento técnico, o perfil deste profissional mudou e agora exige um novo tipo de visão de negócio.

“Faz 20 anos que eu só faço vagas de tecnologia. Com certeza o perfil dos executivos de tecnologia mudou muito ao longo dos anos. O que mais mudou é a habilidade comportamental. Porque até 10, 15 anos atrás o que era esperado de um executivo de tecnologia era deixar a tecnologia andando, implementar sistemas e não deixar com que eles caiam, manter a rede em pé. Com o tempo, essa parte se tornou extremamente fácil e tercerizável, e agora ele precisa trazer conhecimento de negócio”, disse Gamba em entrevista exclusiva à EXAME.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas do BTG Pactual e a curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

“Cada vez mais eu vejo competências comportamentais e habilidades interpessoais sendo um diferencial. Conhecer as melhores tecnologias para se trabalhar é básico, ele tem que conhecer. Agora se ele não souber usar esse conhecimento para agregar valor para o negócio, não serve de muita coisa”, acrescentou.

Segundo Henrique, o profissional deve se fazer as seguintes perguntas: “Como que a tecnologia vai agregar valor para aquele tipo de negócio? E se eu sou especialista, como que eu faço para essa tecnologia alavancar valor?”

Blockchain e Drex

Outra tecnologia que já demanda profissionais especializados é a tecnologia blockchain. Conhecida como o berço das criptomoedas, esta tecnologia possui diversas aplicações e já é adotada e estudada por uma série de bancos e instituições financeiras, como JPMorgan, BlackRock, Fidelity Investments, BTG Pactual, Nubank e Itaú.

Um estudo da Coinbase revelou que a adoção de blockchain por empresas da Fortune 500 aumentou 56% este ano. A Fortune 500 é um compilado feito anualmente pela revista Fortune com base no faturamento das empresas dos EUA.

Pensando nisso, Juliana Manara, estrategista de inovação e negócios da Ilegra, empresa global de estratégia, inovação e tecnologia, apontou para uma escassez desses profissionais e possíveis oportunidades.

Segundo ela, essas oportunidades não se limitam apenas à programação, como muitos podem pensar à primeira vista. Empregos com potencial em blockchain também envolvem áreas como UX/UI e gestão de projetos, por exemplo.

“[Depois de programação] a segunda área que vai ter maior impacto de blockchain é UX. Por experiência nossa em projetos com blockchain, a gente vê que o maior ‘buraco’ está na interface e na experiência, porque ela acontece tão por trás da tecnologia, que na hora que vai pra interface, ela fica muito difícil e não consegue traduzir todo o potencial”, explicou em entrevista exclusiva à EXAME.

“Outra área é a gestão de projetos. Projetos de blockchain vão funcionar de forma descentralizada, têm uma dinâmica diferente, o profissional vai ter que fazer diferente da forma que lida com outras tecnologias. E isso vai desde cargos junior até sênior. Tentar fazer uma Ferrari andar como um fusca é deixar de aproveitar muitas das capacidades que ela entrega”, acrescentou Juliana.

Para a executiva, blockchain é uma habilidade cada vez mais exigida e escassa. Ela também acredita que o Drex, projeto de moeda digital do Banco Central do Brasil, pode acelerar ainda mais a procura por profissionais do setor.

Recentemente, o próprio Banco Central passou por um movimento de funcionários apelidado de “Drexit”, em que especialistas em Drex deixaram a autarquia para trabalhar em empresas privadas. Os que ficaram, exigem salários e condições de trabalho melhores.

No entanto, a executiva admite que é possível observar uma busca maior entre profissionais que querem se atualizar em inteligência artificial ao invés de blockchain, principalmente depois do “boom” do ChatGPT. Apesar disso, ela destaca a importância de aprender sobre blockchain e diz que no futuro, muitos podem se arrepender de não pesquisar sobre como empregar a tecnologia em seus trabalhos.

“Blockchain ainda não chegou no dia a dia das pessoas, essa é a grande diferença com IA. Mesmo com o projeto do Bacen, a grande operação vai ser inicialmente entre bancos e Banco Central, então ainda vai demorar um pouco para chegar no dia a dia das pessoas. Hoje ainda tem muita comparação do porquê eu preciso do Drex se eu tenho o Pix. Mas as empresas já viram que não, que vão ter que se reinventar para buscar outras formas de faturamento”, explicou ela à EXAME.

“A questão é que se o profissional não está ligado no mercado internacional, ele vai depender disso chegar no seu dia a dia para se mexer. Ele está seguindo a curva de amadurecimento das tecnologias, mas com a mídia e o envolvimento do setor público, essas curvas acontecem de maneira mais rápida e intensa”, acrescentou.

“Vai ter muito profissional que vai olhar pra trás e pensar ‘perdi o timing’, principalmente no setor financeiro ou empresas que tem interesse em produtos financeiros”, concluiu Juliana Manara, da Ilegra.

Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas do BTG Pactual e a curadoria dos melhores criptoativos para você investir.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:BlockchainInteligência artificialBusca de empregoEmpregos

Mais de Future of Money

Adoção de apps de criptomoedas cresce 196% em 2024 e Brasil lidera em uso, aponta estudo

Stablecoins representam o maior volume de lavagem de dinheiro com criptoativos, aponta pesquisa

NFTs de Donald Trump disparam após ex-presidente sobreviver a ataque nos EUA

CEO da BlackRock reconhece erro sobre bitcoin e vê ativo como "ouro digital"

Mais na Exame