Future of Money

Desmistificando hackathons no ecossistema Web3: oportunidades não existem só para desenvolvedores

Participar de um hackathon pode parecer algo muito sofisticado ou assustador, no entanto, esses eventos são portas de entrada valiosas para o universo da Web3

 (Reprodução/Reprodução)

(Reprodução/Reprodução)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 6 de julho de 2024 às 12h12.

Por Carlos Eduardo Guariglia e Bryan Brock*

Um hackathon é um evento intensivo que reúne programadores, designers, empreendedores e outros profissionais de áreas diversas, principalmente de tecnologia e negócios, em torno de um desafio de desenvolvimento de soluções inovadoras. A duração pode variar de 24 horas para os eventos mais curtos e até mesmo podem chegar até a alguns dias ou mesmo uma semana.

Esses eventos são conhecidos por sua atmosfera colaborativa e enérgica (até que o sono vença e o café acabe), onde equipes multidisciplinares trabalham contra o relógio para criar protótipos funcionais de softwares, aplicativos ou outras tecnologias.

Os hackathons funcionam em uma dinâmica básica de ideação, desenvolvimento e apresentação. Durante esses eventos, é comum que os participantes criem provas de conceito (POC) ou produtos mínimos viáveis (MVP). Esses são os primeiros passos para provar que uma ideia é relevante e viável.

O foco de um participante iniciante, entretanto, não precisa ser apenas apenas no produto final, mas na jornada de desenvolvimento, na colaboração e no aprendizado que ocorrem ao longo do caminho. Apesar de serem muitas vezes associados a competições, os hackathons oferecem uma ampla gama de oportunidades, desde a troca de conhecimentos, networking, a potencial criação de startups e até mesmo a obtenção de empregos.

Participar de um hackathon pode parecer algo muito sofisticado ou assustador para muitas pessoas. No entanto, esses eventos são portas de entrada valiosas para o universo de desenvolvimento da Web3, oferecendo uma oportunidade única de aprendizado e crescimento.

Muitas pessoas acham que não têm capacidade para participar de um hackathon, seja por falta de conhecimento técnico ou por acreditarem que não conseguirão acompanhar o ritmo dos demais participantes.

A realidade, porém, é que a curva de aprendizado durante a participação dos primeiros hackathons costuma ser gigantesca, a experiência de aprendizado proporcionada por um hackathon é imensurável. Pois é uma oportunidade de em um curto período de tempo adquirir novos conhecimentos técnicos e entender como as ferramentas e tecnologias podem ser utilizadas para a inovação.

Apesar disso tudo, o maior desafio geralmente é orquestrar todas as tarefas. Mais do que a criação de um produto, esses eventos testam a capacidade de organização e trabalho em equipe dos participantes. Tomar decisões rápidas e eficientes é essencial, identificar o que é mais viável de desenvolver no tempo hábil pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso.

  • Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

As equipes são compostas por 3 a 6 pessoas, dependendo de alguns fatores, como a complexidade da tarefa, a duração do hackathon, as regras definidas no regulamento e principalmente a decisão da própria equipe de quanto serão os membros com base no equilíbrio de duas variáveis: a geração de novas ideias e a rapidez na tomada de decisões, um maior número de membros aumenta a primeira e diminui a segunda.

Mesmo para quem não é desenvolvedor, os hackathons oferecem uma perspectiva valiosa sobre a tecnologia envolvida, permitindo um entendimento mais profundo do ecossistema Web3 e das suas possibilidades. Alguns profissionais como designers e profissionais das áreas de negócios desempenham papéis cruciais na criação das soluções apresentadas.

A interação entre diferentes áreas permite uma simulação do mercado de trabalho, onde a colaboração interdisciplinar é essencial. Isso enriquece a experiência e promove o desenvolvimento de habilidades que vão além do conhecimento técnico.

Um dos grandes atrativos dos hackathons especialmente no ecossistema Web3 é a remuneração. Em comparação com a Web2, os hackathons de Web3 frequentemente oferecem prêmios maiores e melhores oportunidades de remuneração.

Isso se deve à necessidade crescente de desenvolvedores e usuários (das novas aplicações desenvolvidas nos hackathons) por parte das blockchains, protocolos e projetos Web3, que veem nesses eventos uma forma de atrair talentos e gerar volume de usuários (lucrando posteriormente com as taxas coletadas).

As parcerias e soluções desenvolvidas nesses eventos muitas vezes recebem suporte financeiro ou investimento significativo, tornando a participação ainda mais atraente.

Além das premiações, há a chance de viajar e participar de eventos no Brasil e no mundo, conhecer investidores e interagir diretamente com os criadores das tecnologias. Esses encontros proporcionam feedback valioso e insights que não seriam facilmente encontrados em outras circunstâncias.

Muitas vezes as organizações dos hackathons viabilizam a participação com programas e incentivos, como no caso do "UNITED NATIONS OFFICE ON DRUGS AND CRIME HACKATHON" organizado pelas Nações Unidas e pela blockchain Internet Computer (ICP), na qual 15 participantes de países em desenvolvimento vão receber auxílio financeiro para cobrir os custos de passagem para a África do Sul.

Assim como o ICP Hub Brasil estará oferecendo um Hackathon para o público brasileiro e está realizando a preparação para o mesmo através de um Boot Camp, mais informações é só procurar nas redes sociais e no site icphubbr.org.

Superar o medo inicial e participar de um hackathon pode ser um passo decisivo para se aprofundar no ecossistema Web3. Esses eventos são mais do que competições; são experiências de aprendizado intensivo, networking e desenvolvimento pessoal e profissional. Portanto, se você está interessado em Web3 e criptomoedas, explore as próximas oportunidades de hackathons e comece sua jornada.

*Carlos Eduardo Guariglia é professor, mestre em Física e membro do Core Team da ICP Hub Brasil.

*Bryan Brock é engenheiro de computação pelo ITA e membro do Core Team da ICP Hub Brasil.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasWeb3

Mais de Future of Money

Investidor de criptomoeda meme de Biden perde US$ 8 milhões, mas "temporada de memecoins" persiste

Brasil recua R$ 9,5 milhões em investimentos de fundos de criptomoedas

SEC autoriza lançamento de primeiros ETFs de Ethereum nos EUA

Investidores do bitcoin ainda não precificaram possível vitória de Trump, diz gestora

Mais na Exame