Future of Money

Compras online com Pix ficarão mais rápidas graças ao Open Finance; entenda

Tecnologia conhecida como Iniciação de Pagamentos deve ganhar tração em 2023 e surgir como recurso no e-commerce

Compras online pelo Pix deverão ficar mais ágeis (Banco Central/Divulgação)

Compras online pelo Pix deverão ficar mais ágeis (Banco Central/Divulgação)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 8 de março de 2023 às 08h00.

O Open Finance, um sistema de dados bancários abertos criado pelo Banco Central, completou dois anos em fevereiro de 2023 e ajudou no processo de digitalização da economia brasileira, e algumas de suas vantagens mais práticas começarão a ser percebidas agora. Uma delas é a chamada "iniciação de pagamentos", uma modalidade que promete tornar compras com o Pix mais rápidas e simples.

Marcelo Martins, CEO da fintech Iniciadora e diretor da Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs), explica que o método de pagamento surge exatamente da conexão e troca de dados entre bancos e ambientes online de compras, os já populares e-commerces.

Hoje em dia, compras online envolvendo o Pix demandam um usuário "ativo": é preciso ler um QR Code ou copiar um código, sair do site, abrir o aplicativo do banco, fazer o login, entrar na área do Pix, colocar o código e então autorizar a transação, retornando manualmente ao site.

A ideia da iniciação de pagamentos é eliminar todo esse processo, dando mais velocidade e simplicidade e tornando o comprador mais "passivo", explica Martins. Com ela, o comprador terá a opção de escolher um banco e imediatamente será transferido para o aplicativo. Após realizar o login, ele é direcionado para a parte do Pix já com todas as informações da transação preenchidas, e é preciso apenas aprová-la. Então, ele é automaticamente transferido de volta ao site.

De acordo com um levantamento do Iniciador em parceria com a ABFintechs obtido com exclusividade pela EXAME, a implementação dessa tecnologia reduziria o tempo de transação com o Pix no e-commerce em 50%. A projeção da startup é que, já em 2023, 20% de todas as transações com o sistema uso a iniciação de pagamentos.

"É uma simplificação. A iniciação de pagamentos é 100% Open Finance, todo o fluxo ocorre por meio das conexões do Open Finance, as suas APIs. O iniciador de pagamento é um ente genérico que consegue se conectar a diferente arranjos de pagamentos, e hoje ele está conectado ao Pix, então consegue mandar informações de um ponto a outro", diz Martins.

Segundo ele, o Banco Central planeja levar a tecnologia para outros arranjos de pagamentos, como boletos, TED, débito em conta e cartão de crédito, mas o foco inicial será no seu sistema de pagamentos instantâneo, que é atualmente a segunda forma mais usada em negociações.

"O fluxo é feito via Open Finance, com uma camada de segurança por trás também. Já a incorporação por uma empresa é muito parecida com quando contrata um player para ajudar a incorporar uma modalidade como Pix, cartão, você contrata uma fintech, alguém que disponibiliza isso para ele, então fica algo simples", comenta o CEO do Iniciador.

Ele observa que, hoje, a maioria das transações do Pix são de pessoa a pessoa, então o espaço para uso da iniciação de pagamentos fica mais restrito. Mesmo assim, ela pode ser usada tanto em compras online quanto offline. No caso do mundo físico, Martins avalia que ainda é preciso fazer algumas mudanças para melhorar a experiência do usuário antes que a ferramenta ganhe tração.

"A iniciação vem para resolver essa dor das transações digitais, já que o Pix não tem a melhor das jornadas no mundo online. Não é uma concorrência, a iniciação vem para turbinar o arranjo Pix e fazer com que cresça ainda mais", afirma.

Ele projeta que a adesão à iniciação de pagamentos ganhará mais força em 2023 graças às melhorias tecnológicas realizadas por grandes bancos e fintechs ao longo de 2021 e 2022, tornando sua implementação mais simples e barata. E ele não descarta o seu uso para além do e-commerce, como no pagamento de contas. O Iniciador, por exemplo, desenvolveu um site que usa a iniciação de pagamentos para realização de doações, confira aqui.

Com a barreira tecnológica superada, Martins acredita que a próxima será dos usuários entenderem como a opção de pagamentos funciona, mas ele espera que o processo seja semelhante com o do Pix, em que, mesmo com o estranhamento inicial, o sistema "já é algo do nosso dia a dia".

No Reino Unido, país que foi referência para a implementação do Open Finance no Brasil, a iniciação de pagamentos é mais difundida, e foi "a funcionalidade que trouxe os usuários para o Open Banking, porque é um fluxo de pagamento. O usuário não precisa entender como funciona, a complexidade, então vários usuários devem ter o contato com o Open Finance pela iniciação. Lá eles usam até para pagamento de impostos", diz Martins.

"Os meios de pagamento nunca envolvem revolução, mas sim evolução. O Banco Central tem sido muito ativo, e a gente está evoluindo e vendo esses benefícios no dia a dia dos cidadãos, é uma função que vai simplificar o nosso dia a dia", destaca.

Para você que adora ler notícias de crypto, a Mynt é o aplicativo ideal para você. Invista e aprenda sobre crypto ao mesmo tempo com conteúdos descomplicados para todos os públicos. Clique aqui para abrir sua conta.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:PIXopen-bankinge-commercemeios-de-pagamento

Mais de Future of Money

Michael Saylor diz que aprovação de ETFs de ether "pode ser melhor para o bitcoin"

Criptomoeda ligada a Caitlyn Jenner movimenta mais de US$ 100 milhões e gera temor sobre golpe

Criptomoeda meme perde todo o valor e despenca 100% após ataque hacker

Após aprovação de ETFs de ether nos EUA, analista aponta oportunidades no mercado cripto

Mais na Exame