Acompanhe:

O bitcoin atingiu nesta semana uma série de marcos importantes para a criptomoeda. Após disparar mais de 20%, o ativo está atualmente no maior patamar de preço desde dezembro de 2021, voltou a superar os US$ 50 mil e retomou uma capitalização de mercado superior a US$ 1 trilhão. Os números não eram superados desde o recorde histórico de preço da moeda, na casa dos US$ 69 mil.

Com isso, a criptomoeda também recuperou a sua posição em um grupo seleto: o de ativos no mercado que possuem uma capitalização superior a US$ 1 trilhão. Dados do site CompaniesMarketCap apontam que, atualmente, apenas 10 ativos chegaram nessa marca, já incluindo a maior criptomoeda do mercado.

O segmento mais presente na lista é o de ações de empresas de tecnologia, com seis representantes. É o caso das gigantes do mercado Alphabet (dona do Google), Meta (dona do Instagram, Facebook e WhatsApp), Amazon, Microsoft e Apple. Uma novidade recente no grupo é a Nvidia, que disparou no mercado em meio ao boom da inteligência artificial.

Outra empresa que faz parte do grupo é a Saudi Aramco. Entretanto, a estatal da Arábia Saudita atua em um campo completamente diferente: o do petróleo. Atualmente, ela ocupa a quarta colocação da lista, com uma capitalização total de US$ 2,06 trilhões. O segundo lugar é da Microsoft, com US$ 3 trilhões, e o terceiro, da Apple, com US$ 2,8 trilhões.

A liderança incontestada, porém, ainda pertence a um dos ativos mais antigos e utilizados da história: o ouro. Dados apontam que a capitalização total do ativo é de US$ 13 trilhões atualmente. O ouro é usado principalmente como uma reserva de valor, sendo procurado por investidores que querem evitar perdas em cenários adversos.

Outra reserva de valor consolidada é a prata, que também integra a lista. Ela possui uma capitalização de US$ 1,3 trilhões atualmente, na oitava posição. A quinta posição é ocupada pela Nvidia, que então é seguida pela Amazon e Alphabet, respectivamente. Já a Meta está na nona posição.

O bitcoin ocupa a décima posição na lista, com uma capitalização total de US$ 1,02 trilhão. É importante ressaltar, porém, que as posições dos ativos dependem das flutuações de preço que podem ocorrer no mercado, considerando desde as ações das empresas até o preço da criptomoeda em relação ao dólar. Além disso, a criptomoeda também superou o valor de empresas consolidadas, como a B3.

Ativos mais voláteis, como é o caso do bitcoin atualmente, podem ter flutuações maiores, e por isso a criptomoeda pode sair e retornar ao grupo no futuro. Por outro lado, entusiastas do ativo afirmam que ele tem potencial para se tornar uma reserva de valor como o ouro, o que indica tanto um potencial de crescimento da capitalização quanto de maior estabilidade de preço.

Uma nova era da economia digital está acontecendo bem diante dos seus olhos. Não perca tempo nem fique para trás: abra sua conta na Mynt e invista com o apoio de especialistas e com curadoria dos melhores criptoativos para você investir.  

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Ainda dá tempo de comprar criptomoedas e lucrar com elas?
Future of Money

Ainda dá tempo de comprar criptomoedas e lucrar com elas?

Há 7 horas

Em 2023, investidores ganharam US$ 37,6 bilhões com criptomoedas; o que esperar deste ano?
Future of Money

Em 2023, investidores ganharam US$ 37,6 bilhões com criptomoedas; o que esperar deste ano?

Há 8 horas

Nem tudo é otimismo: especialistas questionam impacto do halving no preço do bitcoin
Future of Money

Nem tudo é otimismo: especialistas questionam impacto do halving no preço do bitcoin

Há 22 horas

Bitcoin terá "evento do ano": especialistas veem halving com otimismo e projetam disparada de preço
Future of Money

Bitcoin terá "evento do ano": especialistas veem halving com otimismo e projetam disparada de preço

Há 22 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais