Future of Money

Brasil segue Hong Kong e aporta R$ 18,8 milhões em fundos de criptomoedas

País foi o único a registrar entradas líquidas além o país asiático, onde os ETFs de bitcoin e ether estrearam no dia 30 de abril

 (Madrolly/Getty Images)

(Madrolly/Getty Images)

Cointelegraph
Cointelegraph

Agência de notícias

Publicado em 7 de maio de 2024 às 11h15.

Última atualização em 7 de maio de 2024 às 11h19.

Tudo sobreCriptomoedas
Saiba mais

O Brasil aportou US$ 3,7 milhões, cerca de R$ 18,8 milhões, em fundos de investimento de criptomoedas no acumulado semanal da última sexta-feira, 3. Globalmente, os produtos de investimento desse segmento (ETP, na sigla em inglês) registraram saídas líquidas de 251 milhões no período. Saques que foram parcialmente compensados pelo fluxo comprador de Hong Kong, de US$ 306,5 milhões, segundo dados divulgados pela gestora CoinShares.

O Brasil se sagrou como o único país a registrar entradas líquidas além do país asiático, cujas entradas líquidas se explicam pela chancela de Hong Kong a fundos negociados em bolsa (ETFs, na sigla em inglês) baseados no preço à vista de bitcoin e ether, desde o último dia 30 de abril, quando esses ETFs atingiram US$ 12 milhões em volume de negociação.

  • O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Por outro lado, EUA forçou o fechamento semanal no vermelho com US$ 504 milhões em saídas líquidas, seguido por Suécia, Suíça, Canadá e Alemanha, cujos saques foram respectivamente de US$ 30,3 milhões, US$ 9,8 milhões, US$ 9,6 milhões e US$ 7,3 milhões enquanto Austrália e outros países mantiveram níveis estáveis.

Em relação ao acumulado de ativos sob gestão (AuM, na sigla em inglês), o volume recuou para US$ 84,86 bilhões. Nesse caso, EUA responde por uma fatia de US$ 66,47 bilhões, seguindo por Canadá, Suíça, Suécia, Alemanha e Suécia, respectivamente com volumes investidos de US$ 4,52 bilhões, US$ 4,41 bilhões, US$ 3,86 bilhões e US$ 3,11 bilhões. O Brasil aparece na sexta colocação global, com US$ 849 milhões aportados, aproximadamente R$ 4,3 bilhões, seguido por Hong Kong, com um volume AuM de US$ 444 milhões.

Por criptoativo, o bitcoin respondeu pela totalidade do saldo negativo com US$ 284 milhões em saídas líquidas, montante que foi parcialmente amortizado pelo fluxo positivo das altcoins. Entre elas o Ethereum, em US$ 30 milhões, fundos multiativos em US$ 2,1 milhões e Cardano em US$ 400 mil.

Os principais provedores de ETPs registram saídas líquidas, com destaque para a gestora Grayscale, em US$ 277 milhões, e os ETFs Fidelity, em US$ 131 milhões, ARK 21 Shares, em US$ 84 milhões, ProShares, em US$ 80 milhões, CoinShares XBT em US$ 30 milhões e iShares ETFs da gestora BlackRoch, em US$ 24 milhões. Capitaneados pelos ETFs de Hong Kong, outros fundos somaram US$ 398 milhões em entradas líquidas.

Na semana anterior, os aportes brasileiros atingiram R$ 20 milhões apesar do recuo global.

O JEITO FÁCIL E SEGURO DE INVESTIR EM CRYPTO. Na Mynt você negocia em poucos cliques e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Compre as maiores cryptos do mundo em minutos direto pelo app. Clique aqui para abrir sua conta gratuita.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | Tik Tok  

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:BitcoinCriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

Ingressos tokenizados: como funcionam e como podem combater golpes e pirataria no setor?

Kamala Harris pode ser 'muito mais receptiva' às criptomoedas que Biden, diz Mark Cuban

Presidente do Banco Central quer "superapp" de finanças integrado com inteligência artificial

Ferrari anuncia que vai aceitar pagamentos em criptomoedas na Europa

Mais na Exame