Future of Money

Bitcoin supera US$ 25 mil e dispara mais de 15% com dado de inflação nos EUA

Desaceleração da inflação norte-americana reforçou apostas em uma amenização do ciclo de alta de juros no país, favorecendo criptomoedas

Bitcoin e criptomoedas registram fluxo comprador com perspectivas de suavização de ciclo de juros nos EUA (Reprodução/Reprodução)

Bitcoin e criptomoedas registram fluxo comprador com perspectivas de suavização de ciclo de juros nos EUA (Reprodução/Reprodução)

João Pedro Malar
João Pedro Malar

Repórter do Future of Money

Publicado em 14 de março de 2023 às 10h40.

Última atualização em 14 de março de 2023 às 11h02.

O bitcoin opera em forte alta nesta terça-feira, 14, com seu melhor desempenho em nove meses e liderando um movimento de valorização no mercado de criptomoedas que começou no domingo, 12. A divulgação do Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos reforçou o otimismo entre investidores, com a inflação no país desacelerando e caindo de 6,4% para 6% em fevereiro.

De acordo com dados do CoinGecko, a maior criptomoeda do mercado acumula uma valorização de 14,4% nas últimas 24 horas, cotada a US$ 25.969. É a primeira vez desde junho de 2022 que o ativo supera essa marca, considerada um ponto de resistência importante. Já o ether, segunda maior cripto, sobe 9%, cotada a US$ 1.741. O mercado cripto registra um aumento de 13,3% em sua capitalização total, superando os US$ 1 trilhão.

Na semana passada, o bitcoin chegou a ter uma forte desvalorização e caiu abaixo do patamar de US$ 20 mil devido à combinação dos efeitos da falência de bancos amigáveis a criptomoedas nos Estados Unidos e uma postura mais dura do Federal Reserve em relação ao ciclo de alta de juros no país.

Entretanto, os problemas bancários acabaram afetando principalmente as stablecoins, criptomoedas pareadas a outro ativo, e levaram a uma busca por outros criptoativos, caso do bitcoin e do ether. Além disso, as autoridades americanas anunciaram uma ajuda para os clientes do Silicion Valley Bank, uma das instituições financeiras que faliram.

O fechamento de bancos fez com que o mercado passasse a apostar em um abrandamento do ciclo de alta de juros por parte do Fed para evitar um agravamento do cenário econômico e novas quebras. Em uma semana, os investidores passaram a apostar em uma alta de 0,25 ponto percentual nos juros em março, ante os 0,5 p.p. anteriores.

O dado de inflação divulgado nesta terça-feira não é o principal analisado pelo Fed, mas indica que as altas de juros já realizadas estão produzindo o efeito esperado, o que corrobora a visão de que a autarquia pode começar a desacelerar as elevações. Com isso, o bitcoin se afastou do desempenho registrado entre a quinta-feira, 9, e a sexta-feira, 10, quando chegou a ter a pior performance desde a crise da FTX.

Ayron Ferreira, head de research da Titanium Asset, acredita que as sinalizações do banco central dos Estados Unidos nos próximos dias serão essenciais para determinar o comportamento futuro das criptomoedas. Ele espera uma mudança de tom por parte da autarquia na próxima reunião, em 21 de março, mas não uma mudança total na sua postura de combate à inflação.

Ele acredita que, caso os sinais dados pelo Fed sejam lidos pelo mercado como leves demais em relação às altas de juros, a tendência é de que o bitcoin e outras criptomoeda engatem em uma nova tendência de valorização até mais intensa que a observada no início de 2023. Entretanto, se o banco central sinalizar que não vai desacelerar as altas de juros, os criptoativos tendem a desvalorizar e devolver ganhos.

Sabia que você pode investir em bitcoin, ether, Polkadot e muitas outras moedas digitais direto no app da Mynt? Comece com R$ 100 e com a segurança de uma empresa BTG Pactual. Clique aqui para abrir sua conta gratuitamente.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasBitcoinCriptoativosEstados Unidos (EUA)

Mais de Future of Money

CEO da Circle elogia inovação no mercado brasileiro e vê BC mais avançado que Fed em cripto

BTG: cripto será infraestrutura do mercado financeiro e Brasil tem janela de oportunidade

O que vem depois da aprovação dos ETFs de ether nos EUA? Executivos respondem

ETF de bitcoin da BlackRock ultrapassa GBTC da Grayscale e é o maior do mundo em ativos sob gestão

Mais na Exame