ESG

Flor sob risco de extinção é ameaçada pela aceleração da transição energética

Exploração do lítio no oeste dos EUA pode acabar com o trigo sarraceno de Tiehm; operação da mina permitiria a produção de baterias para cerca de 370 mil veículos elétricos/ano durante 26 anos

Natureza: a planta foi listada como ameaçada de extinção em 2022 pelas autoridades dos EUA, que determinaram que sua principal ameaça é a mineração (AFP Photo)

Natureza: a planta foi listada como ameaçada de extinção em 2022 pelas autoridades dos EUA, que determinaram que sua principal ameaça é a mineração (AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 23 de maio de 2024 às 12h38.

Última atualização em 23 de maio de 2024 às 13h00.

O ambientalista Patrick Donnelly observa de perto um punhado de flores cor-de-rosa. Não se trata de uma flor qualquer, mas de uma espécie única que finalmente se abre em uma cor amarela cremosa e que cresce somente nesse canto do oeste dos Estados Unidos.

A rara Eriogonum tiehmii, descoberta em 1983 pelo botânico Arnold Tiehm e conhecida como "trigo sarraceno de Tiehm", está ameaçada de extinção. A espécie teve a infelicidade de dominar um vale desértico em Nevada, cujo subsolo é abundante em lítio, um metal crucial para a fabricação de baterias de carros elétricos.

A descoberta de reservas dessa matéria-prima, cobiçada na transição para a energia limpa e a eletromobilidade, atraiu o interesse da empresa de mineração australiana Ioneer.

"Eles alegam, não sei como, que não prejudicarão a flor. Mas você pode imaginar como seria se alguém construísse uma mina a céu aberto a 61 metros de sua casa? Isso não afetaria profundamente sua vida?", disse Donnelly, da ONG Centre for Biodiversity, à AFP. "Essa mina causará sua extinção."

A flor de caule alto foi listada como ameaçada de extinção em 2022 pelas autoridades dos EUA, que determinaram que sua principal ameaça é a mineração. Estima-se que existam apenas 20 mil delas espalhadas em uma área equivalente a pouco mais de cinco campos de futebol.

Lítio

Em Rhyolite Ridge, uma bacia lacustre seca cercada por formações vulcânicas a cerca de 370 quilômetros a noroeste de Las Vegas, a Ioneer pretende instalar uma mina para extrair "22 mil toneladas de carbonato de lítio por ano" a serem refinadas nas instalações, disse à AFP Bernard Rowe, diretor-geral da empresa australiana. Esse volume permitiria a produção de baterias para cerca de 370 mil veículos elétricos por ano durante 26 anos.

Nos Estados Unidos, onde o presidente Joe Biden estabeleceu metas ambiciosas para a redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE), o projeto da Ioneer deve impulsionar a produção de lítio do país, que até agora tem sido bastante escassa, apesar de suas enormes reservas.

"Portanto, é importante desenvolver uma cadeia de suprimentos doméstica para essa transição energética, e Rhyolite Ridge será parte integrante disso", disse Bernard Rowe.

De acordo com a Agência Internacional de Energia (IEA), a demanda global por lítio aumentará de cinco a sete vezes até 2030. Atualmente, a Austrália, o Chile e a China dominam a produção.

Para a Ionner, a iniciativa de diversificar a fonte de suprimento de lítio não implica um sacrifício ambiental. "Estamos confiantes de que a mina e a usina de Tiehm podem coexistir", disse Rowe.

O plano da companhia prevê a destruição gradual de 22% do habitat já reduzido da planta, mas promete tomar medidas para proteger o restante. A empresa australiana afirma ter investido US$ 2,5 milhões (R$ 12,7 milhões na cotação atual) em pesquisas sobre a planta nativa, que é cultivada em estufas com o objetivo de replantá-la no campo.

Acompanhe tudo sobre:Energia renovávelMineraçãoTrigoFloraEstados Unidos (EUA)Carros elétricosBaterias

Mais de ESG

Pesquisa mostra que empresas de bens de consumo fazem análises ESG, mas não rastreiam todo o risco

As soluções da Suvinil para transformar a tinta em um negócio cada vez mais sustentável

Bill Gates quer investir 'bilhões de dólares' em energia nuclear; entenda o motivo

Empresas apostam na bioeconomia como modelo de desenvolvimento

Mais na Exame