Acompanhe:

COP28: colaboração entre empresas pode acelerar a descarbonização, dizem executivos

Painel promovido pelo Pacto Global da ONU durante a COP28, em Dubai, executivos da CPFL Energia, CBA, Citrosuco e Vivo compartilharam os desafios e as boas práticas para a descarbonização das operações

Modo escuro

Continua após a publicidade
COP28: Empresários conversam em evento promovido pelo Pacto Global da ONU no Brasil, em Dubai (Pacto Global da ONU no Brasil/Reprodução)

COP28: Empresários conversam em evento promovido pelo Pacto Global da ONU no Brasil, em Dubai (Pacto Global da ONU no Brasil/Reprodução)

De Dubai*

Como descarbonizar operações

Os desafios para descarbonizar as operações, principalmente, as emissões indiretas (de escopo 3) de gases de efeito estufa é uma pauta que une as empresas dos mais diferentes setores por um objetivo em comum. Pensando nisto, executivos da CPFL Energia, CBA, Citrosuco e Vivo compartilharam as dores e as boas práticas até aqui. A conversa aconteceu no Transição no Sul Global: Construindo uma Economia Net Zero, evento promovido nesta sexta-feira, 8, pelo Pacto Global da ONU no Brasil, em Dubai, durante a COP28.

Ter as metas aprovadas nos três escopos é uma tarefa desafiadora que, segundo Orlando Nastri, gerente de ESG da Citrosuco, pode ser possível com colaboração, uso de dados e participação em organizações como o SBTi (do inglês, Science Based Target Initiative). 

“O desafio de todas as companhias para a descarbonização agora é o gerenciamento climático. Por isto, instituímos uma plataforma de gerenciamento climático automatizado que vincula as emissões de carbono com os gastos de cada insumo e serviço da companhia, isto faz com que todos se envolvam e o resultado fique mais próximo do esperando quando a meta foi instituída", afirmou Nastri. Ainda em relação à importância das finanças, a Citrosuco tem 350 milhões de dólares atrelados ao crédito verde e à descarbonização.

 Quer saber tudo sobre a COP28? Acompanhe a página especial da EXAME

No caso da CPFL Energia, foram mais de 20 compromissos públicos lançados no final do ano passado. Em um ano de atividade, a empresa já conseguiu avançar em seis dessas metas de descarbonização. “É uma jornada permanente de evolução, então precisamos sempre incluir novos temas e metas. Além disto, é preciso reforçar o valor da prática para o negócio, especialmente quando todos os fundos investindo na nossa empresa são de alto compromisso com sustentabilidade”, disse Rodolfo Sirol, diretor de meio ambiente e sustentabilidade da CPFL Energia. 

Para Leandro Campos de Faria, head de sustentabilidade da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), a é necessário ter estabelecimento de metas claras, estratégia e mais compartilhamento de tecnologia e metodologias. “A democratização das tecnologias é fundamental. Não é mais sobre abordar o case da empresa A ou B na área de descarbonização, mas sim pensarmos juntos no que queremos nessa seara", diz.

Um exemplo do executivo é a possibilidade de uma conversa que aborde da produção ao uso final, com diferentes empresa. "O alumínio está presente em diferentes lugares, então porque não abordamos o case desde a reciclagem e produção do alumínio até ele virar um carro da CPFL?”. Um dos objetivos da CBA, é aumentar a quantidade de conteúdo reciclado, com 0,5 tonelada de carbono em cada tonelada de alumínio por produto reciclado. 

A tecnologia também é fundamental para a empresa de telecomunicações Vivo, não apenas para descarbonizar a operação, como para influenciar outras companhias. "A digitalização é alavanca para descarbonizar outros setores a partir de serviços como nuvem, que reduz deslocamentos e emissões ", diz Ana Letícia Senatore, gerente de Sustentabilidade da Vivo. Na companhia, a influência também afeta o grupo Telefônica, uma vez que o Brasil é tão importante na estratégia de sustentabilidade como os principais mercados: Espanha, Alemanha e Reino Unido. 

A companhia, que faz parte do Pacto Global da ONU há doze anos, conta com a meta de reduzir as emissões de carbono em 90% para 2030 – além de diminuir em 56% as emissões em toda a cadeia de valor (escopo 3) e alcançar a meta de emissões líquidas zero até 2040.

Veja também mais notícias sobre a COP28

- Com colaboração de Fernanda Bastos

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Vivo disponibiliza consultoria e aumenta número de fornecedores com práticas de descarbonização
ESG

Vivo disponibiliza consultoria e aumenta número de fornecedores com práticas de descarbonização

Há um dia

Direitos humanos na moda: Pacto Global da ONU inicia trabalho de conscientização das empresas
ESG

Direitos humanos na moda: Pacto Global da ONU inicia trabalho de conscientização das empresas

Há 2 semanas

Economia circular: Danone busca reduzir embalagens de origem fóssil pela metade
ESG

Economia circular: Danone busca reduzir embalagens de origem fóssil pela metade

Há 2 semanas

Belém deve estar pronta para sediar a COP em 2025, avalia Alckmin
ESG

Belém deve estar pronta para sediar a COP em 2025, avalia Alckmin

Há 3 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais