Acompanhe:

No terceiro dia da COP28, aumenta a cobrança por ações além de promessas

Triplicar as energias renováveis e reduzir emissões sem cortar produção de petróleo foram alguns anúncios que geraram mais desconfiança do que otimismo

Modo escuro

Continua após a publicidade
COP28: observadores ainda esperam por anúncios mais realistas (Photo by KARIM SAHIB / AFP)

COP28: observadores ainda esperam por anúncios mais realistas (Photo by KARIM SAHIB / AFP)

Neste terceiro dia da COP28, os Emirados Árabes Unidos, anfitriões da conferência, anunciaram vários pacotes relacionados a energia limpa e aos cortes de combustíveis fósseis. No entanto, quem acompanha de perto a maior conferência mundial sobre o clima, cobra ações efetivas.

O principal fato do terceiro dia da COP28, segundo Natalie Unterstell, do Instituto Talanoa, foi o anúncio de mais de 100 países assinando o compromisso de triplicar as energias renováveis até 2030. Entre as nações estão Brasil, China, Índia, Estados Unidos e União Europeia.

“Triplicar a energia limpa global nesta significa, para o Brasil, chegar antes ao fim da nossa transição energética logo e, no plano externo, poder aproveitar a abertura de mercados para nossas exportações de energias renováveis, não apenas os tradicionais biocombustíveis, mas quem sabe hidrogênio verde e outras”, diz Unterstell.

A representante do Talanoa considera ser uma contradição o Brasil tentar ser um líder nos esforços mundiais para limitar o aquecimento global a 1,5ºC e ao mesmo tempo se aproximar de produtores de petróleo. "Como o 'paladino do 1,5 grau' pode gerenciar a liderança dentre os maiores produtores de petróleo do mundo?", questiona.

A série de anúncios da COP28 é, em grande parte, bem-vinda, analisa Mohamed Adow, diretor da Powershift Africa. Para ele, é bom ver países e empresas adotando medidas voluntárias para reduzir as emissões, impulsionar as energias renováveis e fornecer mais financiamento climático.

No entanto, segundo Adow, há ressalvas. “Precisamos lembrar que a COP28 não é uma feira comercial e uma conferência de imprensa, é uma negociação internacional e essa ainda é a parte mais importante. As negociações são o motivo de estarmos aqui, e obter uma data acordada para a eliminação gradual dos combustíveis fósseis continua sendo o maior passo que os países precisam dar aqui em Dubai nos dias restantes da cúpula”, alerta.

A incógnita sobre o petróleo

Neste sábado, 2, foi anunciado um pacto para a redução das emissões de metano do setor do petróleo e do gás. Ao todo, 50 produtores endossaram o acordo. Entre eles, a Exxon Mobil Corp. e a Aramco, da Arábia Saudita. No entanto, não se falou sobre reduzir a produção de petróleo e gás.

O anúncio das petroleiras foi dos mais polêmicos neste início da COP23. "Esta Carta não vai além dos compromissos anteriores da indústria petrolífera sob a Iniciativa Climática de Petróleo e Gás (OGCI), os quais a indústria ainda não cumpriu”, acusa Murray Worthy, pesquisador sênior de petróleo e gás da Zero Carbon Analytics. O mais importante, avalia, é que o compromisso, anunciado hoje, não exige que as empresas lidem com a principal causa das emissões dos combustíveis fósseis, que é a sua queima.

David Tong, gerente global da Oil Change International, desconfia da proposta. "O Acelerador de Descarbonização do Petróleo e Gás é uma distração perigosa do processo da COP28. Precisamos de acordos legais, não de compromissos voluntários. Permanecer abaixo de 1,5C de aquecimento global requer uma eliminação completa, rápida, justa e financiada dos combustíveis fósseis, começando agora”, avalia.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Aceleração econômica só é possível ao considerar mudanças climáticas, apontam especialista em Fórum
ESG

Aceleração econômica só é possível ao considerar mudanças climáticas, apontam especialista em Fórum

Há 3 horas

BNDES e GFANZ assinam acordo para financiar projetos de transição ambiental no Brasil
ESG

BNDES e GFANZ assinam acordo para financiar projetos de transição ambiental no Brasil

Há um dia

Custo das mudanças climáticas é de US$ 22 bi por ano, diz presidente do BID
ESG

Custo das mudanças climáticas é de US$ 22 bi por ano, diz presidente do BID

Há um dia

Fórum do G20 debate alternativas para financiamentos climáticos
ESG

Fórum do G20 debate alternativas para financiamentos climáticos

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais