Esfera Brasil

É preciso agregar valor às commodities, diz ex-ministro da Agricultura

Ainda que matérias-primas sejam vocação do Brasil, produtos com valor agregado devem tomar protagonismo nas exportações

 (Cooxupé/Divulgação)

(Cooxupé/Divulgação)

Esfera Brasil
Esfera Brasil

Plataforma de conteúdo

Publicado em 12 de maio de 2023 às 08h30.

Por Nina Gattis

Para um país que dependia da importação de alimentos até a segunda metade do século passado, o Brasil deu um enorme salto em menos de cinquenta anos: tornou-se provedor para o mundo e passou a exportar — em volumes gigantescos — uma ampla diversidade de commodities alimentícias. Os números crescem a cada ano, e o País já é o campeão global na distribuição de carne bovina, frango, soja e café. Consoante aos dados, em 2022, o agronegócio foi o responsável por US$ 159 bilhões em exportações, sendo o protagonista do superávit recorde atingido pela balança comercial brasileira. Ainda assim, para Roberto Rodrigues, ministro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) de 2003 a 2006, durante o primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), é preciso agregar mais valor à produção agropecuária.

Entre os produtos de origem agrícola não categorizados como commodities — ou seja, que já passaram pela agroindústria — mais distribuídos pelo Brasil estão o suco de laranja e o açúcar, cujas exportações lideram seus respectivos rankings globais. Já o café brasileiro que aparece em primeiro lugar entre os mais exportados do mundo é o café em grão, e não o café torrado e moído, o que diminui seu valor. “Os países exportadores protegem suas indústrias com tarifas que impedem nossa concorrência”, diz Rodrigues.

Trata-se da questão dos picos tarifários: quando países aplicam tarifas a determinados produtos em um nível significativamente superior à média aplicada para os demais bens. Esse tipo de medida acaba criando uma barreira comercial, com a justificativa de que são úteis para preservar o nível elevado de renda e emprego do país importador.

Segundo o ex-ministro do Mapa, o Brasil só passaria a ser líder em exportar mais produtos com maior valor agregado por meio de acordos comerciais. Além disso, essa demanda impulsionaria novos desenvolvimentos tecnológicos. “Os picos tarifários inibem a industrialização por aqui”, destaca Rodrigues, autor do lançamento de notáveis tecnologias para o setor agropecuário, como a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) e a Lei de Biossegurança.

Também ex-ministro do Mapa, mas no governo de Michel Temer, Blairo Maggi disse, em entrevista ao Brazil Journal, que a força do agronegócio brasileiro está na produção de commodities e que lutar contra isso é inútil. Rodrigues concorda que exportar commodities não é vergonha nem pecado e dá como exemplo os Estados Unidos, maior economia do mundo e, paralelamente, o maior exportador de commodities. Contudo, reafirma a necessidade de que a fatia da agroindústria seja mais trabalhada.

Veja também: Sustentabilidade, energia e mídias digitais são temas de diálogo na Esfera Brasil

Debate sobre regulação dos meios de comunicação esbarra em temor de censura

Leia mais conteúdos na revista digital da Esfera Brasil

“O agronegócio, que envolve toda a cadeia de aprimoramento das commodities, corresponde a 27% do PIB [Produto Interno Bruto] brasileiro hoje, enquanto a agricultura e a pecuária representam 6%”, exemplifica Rodrigues. “Entretanto, são esses 6% que geram demanda por fertilizantes e defensivos, máquinas agrícolas, crédito, seguro, rodovias, embalagens e que guarnecem a indústria de alimentos, contribuindo, portanto, para que o agronegócio como um todo exista. No fim das contas, o que importa é o conceito de agribusiness, a cadeia produtiva”, acrescenta.

(FGV Agro/Divulgação)

De acordo com o ex-ministro de Lula, a produção de commodities é, de fato, a vocação natural do Brasil, embora não deixe de ser um talento a ser lapidado. “Dos US$ 159 bilhões exportados pelo setor no ano passado, cerca da metade foi composta de produtos com valor agregado, e não mais apenas matérias-primas. É um sinal claro de que estamos evoluindo, mas precisamos de estratégia. Ser o grande protagonista da segurança alimentar mundial é um trunfo prometido ao Brasil, mas que ainda não está dado”, afirma.

Com estratégia, Rodrigues quer dizer “diálogo” para que sejam feitos acordos importantes e vantajosos com os principais países compradores — uma tarefa de longo prazo para o atual governo. “Nós perdemos um pouco de tempo ultimamente, mas espero que as coisas fluam de novo a partir da nova imagem do País.”

A visão dos investidores

Por mais que Rodrigues não veja a agropecuária como a base da economia brasileira, e sim como a base do sustento do povo brasileiro, a importância das commodities para o mercado financeiro é inegável. Gustavo Bertotti, economista-chefe da assessoria Messem Investimentos, explica que investidores tendem a dar preferência a ativos brasileiros relacionados a commodities, justamente porque elas são o forte do País.

“Nós somos um player em produção e exportação de commodities. É o que o Brasil faz bem e no que nos veem como uma referência global”, diz Bertotti. “Ao mesmo tempo, não é um setor dependente somente do mercado doméstico. Boa parte das nossas empresas ligadas a commodities tem uma receita considerável em dólar. Por isso que, mesmo quando o dólar ganha força, ativos de exportação demonstram um comportamento inverso à aversão ao risco.”

Na mesma direção, Rafael Passos, sócio e analista da gestora de fundos Ajax Asset Management, reconhece a importância do agronegócio para o País. “Mas é preciso ressaltar que o Brasil é emergente. Diferentemente dos países desenvolvidos, que têm a receita mais associada a produtos tecnológicos e de alto valor agregado, o Brasil ainda está uma página atrás e depende principalmente de matérias-primas e exploração de recursos naturais”, frisa Passos.

Vale lembrar que nem só de commodities agropecuárias vive o País: o Brasil também é um grande produtor e exportador de petróleo e de minério de ferro. Inclusive, as duas commodities se destacam entre as mais exportadas por aqui. “Não deixaremos de depender desse setor tão cedo. Para mudarmos a pauta da exportação, é necessário que se invista em educação e em pesquisa e desenvolvimento. Caso contrário, continuaremos vendendo matéria-prima barata e pagando caro por produtos tecnológicos importados produzidos a partir de nossas commodities”, afirma Bertotti.

Ainda assim, é consenso entre ambos os especialistas do mercado que faz sentido investir em ativos de empresas brasileiras que exportam commodities. Bertotti aponta o pagamento de bons dividendos e a resiliência como pontos positivos; Passos, por sua vez, lembra que o setor compõe parte significativa do Ibovespa, principal índice da B3. “A concentração de commodities no Ibovespa é de mais de 30%, então o peso é muito relevante. Não tem como ficar exposto à renda variável, no Brasil, sem estar exposto a esse setor”, aponta o analista, que complementa: “O setor é muito amplo, então é perigoso generalizar. Na hora de investir, o melhor é avaliar e decidir em qual divisão de commodities se posicionar”.

Acompanhe tudo sobre:AgronegócioAgropecuáriaAgriculturaCafé

Mais de Esfera Brasil

Brasil precisa de soluções integradas para infraestrutura resiliente

Otimista com economia, Tebet pede eficiência no gasto público: ‘Não há social sem fiscal’

Inteligência artificial é tema de encontro entre representantes do Brasil e Japão

Relatório vê viabilidade técnica e ambiental para recuperação da BR-319, entre Manaus e Porto Velho

Mais na Exame