Acompanhe:

Debate sobre regulação dos meios de comunicação esbarra em temor de censura

Em meio a fake news e big techs, o tema ganhou amplitude nacional com o presidente Lula, mas divide opiniões

Modo escuro

Continua após a publicidade
Regulamentação de mídia não é sinônimo de regulação de conteúdo e não deve ser confundida com cerceamento da liberdade de expressão (Andresd/Getty Images)

Regulamentação de mídia não é sinônimo de regulação de conteúdo e não deve ser confundida com cerceamento da liberdade de expressão (Andresd/Getty Images)

Por Giulia Alecrim

Eleito pela terceira vez para ocupar o cargo de presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já expressou, em diferentes entrevistas e coletivas de imprensa, o interesse em voltar a debater e desenvolver a regulação da mídia ou dos meios de comunicação durante seu mandato. Contudo, o assunto, quando discutido, é permeado pela estranheza de que possa envolver regulação de conteúdo, imprensa ou informação.

A proposta começou a ser desenvolvida no Brasil inicialmente durante o segundo mandato do petista na Presidência, em 2010; foi chamada de Anteprojeto de Lei dos Serviços de Comunicação Eletrônica, elaborado pelo então ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Franklin Martins, e posteriormente entregue ao sucessor do cargo no governo de Dilma Rousseff, em 2011. 

O Anteprojeto foi engavetado no mesmo ano, embora o tema tivesse o apoio de Dilma, e nunca chegou a ser formalmente divulgado. Depois de anos de sigilo, foi acessado apenas em 2019 pelo jornalista Camilo Vannuchi durante o desenvolvimento de sua tese de doutorado intitulada Direito humano à comunicação: Fundamentos para um novo paradigma na regulação dos meios no Brasil. Na pesquisa, ele conta que a minuta, que tinha 93 páginas e 297 artigos, atendia a outros assuntos, como regulação econômica, “mas incorporava também orientações relativas à regulação de conteúdo e à garantia dos direitos humanos”. 

Dois anos após o engavetamento, em 2013, o Projeto de Lei de Iniciativa Popular (PLIP) da Mídia Democrática foi elaborado como uma nova proposta sobre o tema, com o objetivo de regulamentar os artigos da Constituição que tratam da comunicação, mas não chegou a ter assinaturas suficientes para ser analisado no Congresso.

Sobre a proposta, Pedro Rafael Vilela, atual secretário executivo do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), entidade que atua desde 1991, explica que o PLIP procurou mostrar a necessidade de atualização da Legislação acerca dos meios e reitera que poucas normas previstas na Constituição a respeito da comunicação foram regulamentadas, “a exemplo de regras para impedir a formação de monopólios e oligopólios”. Como o PLIP proposto em 2013 conta com pontos ainda atuais, foi apresentado pelo FNDC ao governo Lula durante a campanha e, posteriormente, à equipe de transição, no documento Por uma Comunicação Democrática. “Não se está falando de algo novo, mas de atualizar mecanismos democráticos de regulação que estão defasados e não refletem o disposto na Constituição”, afirma Vilela.

Veja também: 

Tanto Lula quanto Dilma já reiteraram que “regulação de mídia” não é sinônimo de “regulação de conteúdo”, muito menos uma forma de censura. Durante o período eleitoral de 2022, ao falar sobre o tema, o presidente eleito se colocou como “inimigo da censura” e citou o “atraso” do ainda vigente Código Brasileiro de Telecomunicações, que vigora há 60 anos e, na época, regulamentou as áreas de radiodifusão e de telecomunicações no Brasil, como um dos motivos para a necessidade de uma nova regulação. 

O presidente também já disse que, caso um modelo fosse desenvolvido, seria nos moldes das regulações inglesa ou americana e que o processo caberia ao debate público, para que todos pudessem participar. Lula, entretanto, costuma complementar o assunto citando casos que remetem a um possível controle de imprensa, quando, por exemplo, diz ter sido vítima de alguns veículos de imprensa no período da Operação Lava-Jato, que culminou em sua prisão em 2018.

Para Francisco Rabello, um dos fundadores e atual diretor de Marketing da Associação Brasileira de Imprensa e Comunicação (Abricom), a regulação significaria, sim, um controle. “É controle de comunicação, não de mídia. Há a pretensão de controlar a informação. Se você não tem liberdade de informar e ser informado, você não é mais livre. Não tem democracia numa instituição que tira a possibilidade da pessoa de se comunicar. A partir do momento que o estado interferir nisso, acabou a liberdade.”

Por outro lado, Vilela, do FNDC, avalia que “no quadro democrático atual, isso nem sequer é possível. Nem uma lei que contivesse isso poderia ser aprovada. A democratização dos meios de comunicação, tal como defendida pelos movimentos sociais, passa por uma nova legislação que atualize as regras do setor e contemple um ambiente com mais diversidade de conteúdo e pluralidade de fontes de informação, como forma de aprofundar a democracia, e não a restringir. A ideia é justamente ter mais informação, mais meios, menos concentração, menos poder em poucos grupos econômicos”.

O advogado constitucionalista e especialista em liberdade de expressão e imprensa, André Marsiglia, demonstra preocupação em relação à falta de clareza sobre o que seria o plano proposto pelo governo. “Isso não está claro em momento nenhum. Há exemplos de modelos estrangeiros que regularam a mídia com sucesso, mas a experiência brasileira é mais autoritária e, por isso, temos o receio da censura. Todas as manifestações [do governo eleito] que vimos até agora foram sobre concentração de poder da imprensa. Se essa regulação for sobre a imprensa e trazer algum tipo de possibilidade de censura ou autoritarismo, será muito nocivo sem o debate da sociedade. Precisamos entender o que o governo quer e mostrar que os caminhos que podem direta ou indiretamente levar à censura são piores do que qualquer tipo de regulação”, comenta.

A medida sobre regulação é uma discussão impopular no Brasil e há inúmeras propostas barradas pelo Poder Legislativo. À época em que o PLIP da Mídia Democrática foi proposto, outros 500 projetos sobre o tema tramitavam no Congresso. “Esse número fazia parte de um projeto de pesquisa de mestrado da Universidade de Brasília. Uma das conclusões sobre esse cenário é a de que projetos estruturais para os serviços de comunicação social de massa dependem, como acontece, por exemplo, com reformas administrativas ou previdenciárias, de uma atuação direta e protagonista do governo federal, que mobilize uma base de apoio capaz de gerar adesão em torno do projeto”, diz Vilela. O Brasil tem pelo menos 650 normas — portarias, decretos ou leis — que regulamentam o setor de comunicação social, de acordo com a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).

Mas o que é, afinal, regulação de mídia? 

A mídia já é regulada no Brasil, e um exemplo é o próprio Código Brasileiro de Telecomunicações. Um dos argumentos comuns àqueles que defendem a regulação, como o próprio PLIP da Mídia Democrática, é que há a necessidade de regulamentar algumas normas constitucionais no Congresso — um tema que enfrenta resistência até mesmo no Supremo Tribunal Federal (STF). Entre as normas passíveis de regulamentação, estão:

  • a proibição de que políticos com mandato tenham concessões de rádio e TV;
  • a proibição de monopólios e oligopólios na mídia;
  • a obrigatoriedade de um percentual mínimo de programas regionais em rádios e televisões.

A Constituição de 1988 detém cinco artigos que compõem atribuições à Comunicação Social. Um dos mais conhecidos pela população é o artigo 222, que assegura que “a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo, não sofrerão qualquer restrição” e a vedação de “toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística”. Já foram regularizadas, porém, as propagandas comerciais de tabaco, bebidas alcoólicas, agrotóxicos e medicamentos, assim como o prazo de concessão de 10 anos para as emissoras de rádio e 15 para as de televisão. Aos que defendem uma nova regulação, entretanto, falta transparência nas concessões. 

Para além dos meios de comunicação, o advogado André Marsiglia também chama a atenção para um dos problemas centrais que precisa ser observado pela legislação brasileira: a regulação de plataformas digitais, as chamadas big techs — grandes empresas de tecnologia que dominam o mercado, como Twitter, Facebook, Instagram e YouTube.

“As plataformas digitais vivem numa situação muito confortável do ponto de vista legislativo. Há leis extremamente benéficas e pouca responsabilização. A concentração de poder está hoje nessas plataformas. A audiência de um veículo de imprensa depende de 60% a 80% da divulgação desse material no Google. Então é preciso que as plataformas se manifestem sobre o gerenciamento que fazem do conteúdo. Qual o critério para dar mais audiência para um perfil? Quais as formas de impulsionamento de ordem? Isso tudo é privado, e eles se escoram na privacidade do algoritmo. Não há transparência”, explica.

Em complemento à discussão e se referindo a uma das respostas do atual governo, que associou o caso brasileiro aos moldes estrangeiros, André diz: “O modelo inglês funciona muito bem na Inglaterra. Se fosse tão fácil assim, a gente não precisaria da legislação brasileira. O Direito é resultado da cultura, o ambiente sociocultural é constitutivo do Direito, e uma lei é resultado da sua sociedade. Se os conceitos do que se entende por mídia e regulação não forem discutidos, não podemos nem começar uma discussão”. 

É possível que, com base nos conflitos informativos e expressivos que o Brasil observou, sobretudo durante o último período eleitoral, seja acrescido ao debate da regulação da mídia uma discussão sobre fake news e liberdade de expressão. Marsiglia também alerta para o cuidado com o tema, já que são pontos que não possuem consenso na sociedade. “O limite da liberdade de expressão é o cometimento de um crime. Sempre que a liberdade for restrita, ela deve ser restrita da forma menos gravosa, porque é um direito fundamental. Você não pode banir o direito da pessoa de se expressar. Sempre que se restringe a liberdade de alguém, é preciso harmonizar para que a pessoa continue se expressando”, acrescenta.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
AGU defende regulamentação de redes sociais após Elon Musk desafiar decisões de Moraes
Brasil

AGU defende regulamentação de redes sociais após Elon Musk desafiar decisões de Moraes

Há 9 horas

Veja 7 dicas para alavancar sua marca na internet sem abalar a saúde mental
seloCarreira

Veja 7 dicas para alavancar sua marca na internet sem abalar a saúde mental

Há 4 dias

Bia Félix: redes sociais decretarão o fim das celebridades como conhecemos?
Um conteúdo Bússola

Bia Félix: redes sociais decretarão o fim das celebridades como conhecemos?

Há uma semana

Quem pode comprar o TikTok nos EUA? Estas são as pessoas que conseguem bancar a aquisição do app
Tecnologia

Quem pode comprar o TikTok nos EUA? Estas são as pessoas que conseguem bancar a aquisição do app

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais