Acompanhe:

“A reforma tributária pode trazer ganho de 10% no PIB em 15 anos”, diz Alckmin

Vice-presidente da República acredita que aprovação saia ainda neste semestre e ressalta que os presidentes da Câmara e Senado são favoráveis à medida

Modo escuro

Continua após a publicidade
O vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio, Geraldo Alckmin durante posse do novo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro (Tomaz Silva/Agência Brasil)

O vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio, Geraldo Alckmin durante posse do novo presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro (Tomaz Silva/Agência Brasil)

E
Esfera Brasil

Publicado em 7 de fevereiro de 2023 às, 08h32.

O vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin (PSB), afirmou que a reforma tributária deve ser aprovada ainda neste semestre. “Os presidentes eleitos da Câmara e do Senado são favoráveis à reforma, que pode trazer mais eficiência econômica, simplificando e ajudando investimentos no Brasil. Em 15 anos, pode trazer ganho de 10% no crescimento do PIB, com a redução do custo de pagamento em impostos”, disse durante o fórum “Economia Verde, Futuro e Inovação”, realizado em São Paulo nesta segunda-feira (6) pela BandNews.

Segundo Alckmin, as PECs 110 e 45 unificam cinco tributos sobre consumo: IPI, ICMS, ISS, PIS e Cofins no IVA, como já ocorre em outras partes do mundo, no caso o IBS (Imposto de Bens e Serviços). As mudanças exigem alteração na Constituição em maioria qualificada.

Ele defendeu a simplificação do sistema tributário e que o Brasil não fique mais isolado nos negócios. “À medida que avançamos na agenda verde, evitaremos de ser prejudicados na exportação. No pós-pandemia, houve um aumento do protecionismo no mundo, o que dificulta a exportação. O fato de o Brasil passar a ser protagonista no mundo de combate às mudanças climáticas e defesa dos recursos naturais, isso vai evitar que a gente perca mercados e ajudar a conquistar novos”, ressalta.

Veja também: “Faremos a reforma tributária possível”, afirma Lira em jantar com empresários

O Brasil é uma potência para a indústria verde global

O encontro reuniu especialistas em sustentabilidade, empreendedores e líderes empresariais para discutir o papel da economia verde na criação de oportunidades de negócios, além de promover o desenvolvimento econômico do país sem deixar de lado as questões ambientais.

No evento, o presidente do Grupo Bandeirantes, João Carlos Saad, cobrou o fortalecimento do setor industrial e ressaltou a importância de Alckmin à frente do MDIC.

“É no setor industrial onde está a maior arrecadação de tributos e os maiores salários. É preciso tratar o agro com carinho e não machucá-lo com juros altos. O setor de serviços foi afetado pela Covid-19 e pela forma com que lidamos com ela. Destruímos centenas de empresas desnecessariamente. Alckmin é a figura para fazer acordos. O mundo está esperando pelo Brasil crescendo”, enfatiza.

Acordos internacionais e regras

Alckmin destacou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem visitado outros países com o objetivo de “correr com os acordos internacionais, não só com a União Europeia, mas com outros países. O Brasil tem 2% da economia mundial, 98% está fora. Temos que ter inserção nas grandes cadeias globais da economia”.

A cultura cartorial, com excesso de regras e burocratização, foi apontada como um problema pelo vice-presidente, por dificultar a vida das pessoas e das empresas, prejudicando a competitividade.

BNDES

Alckmin defendeu o papel do BNDES como financiador: “Quando o banco financia importador estrangeiro, ele está financiando emprego no Brasil, a indústria brasileira. Não existiria Embraer se não fosse o BNDES”.

O vice-presidente lembrou que houve a primarização das exportações no país, sendo que a soja, o petróleo bruto e o minério de ferro se destacam. “Mas precisamos exportar valor agregado porque a indústria emprega mais com melhores salários”, pontua.

Economia verde

Temas como economia verde e hidrogênio verde estiveram em debate, e o Brasil pode ser uma potência nestes setores. “Onde fabricar bem, barato e com alta compensação de emissão de carbono? No Brasil. Aqui você vai ter mais facilidade para compensar a emissão de carbono”, diz o ministro do MDIC.

Sobre o hidrogênio verde, Alckmin acredita que há possibilidades de avanço e que é preciso regular o mercado de carbono para fortalecer o crescimento da economia descarbonizada e a transição energética.

“Somos exemplo pro mundo de energia limpa. Temos uma tarefa longa e desafiadora, mas este é um bom momento. O mundo vai precisar do Brasil e temos que atrair investimentos. Precisamos consolidar nossas conquistas e inovar. Com economia verde, seremos imbatíveis”, conclui Alckmin.

Últimas Notícias

Ver mais
Reforma Tributária: eleições para comitê gestor de imposto é desafio na regulamentação
Brasil

Reforma Tributária: eleições para comitê gestor de imposto é desafio na regulamentação

Há 5 horas

Governo contesta no STF leis que facilitam porte de arma no Rio Grande do Sul e no Paraná
Brasil

Governo contesta no STF leis que facilitam porte de arma no Rio Grande do Sul e no Paraná

Há 15 horas

Milei envia ministra ao Brasil para 1ª agenda de trabalho com governo Lula
Mundo

Milei envia ministra ao Brasil para 1ª agenda de trabalho com governo Lula

Há 16 horas

Governo espera leiloar 'Rodovia da Morte', em Minas Gerais, no segundo semestre
Brasil

Governo espera leiloar 'Rodovia da Morte', em Minas Gerais, no segundo semestre

Há 17 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais