Tomate, cenoura, transporte por app: o que mais subiu de preço em março

A inflação medida pelo IPCA em março foi a maior para o mês desde 1994. Veja o quanto os itens ficaram mais caros
Posto de gasolina: combustíveis subiram mais de 6% no mês (Getty Images/elpidio costa junior)
Posto de gasolina: combustíveis subiram mais de 6% no mês (Getty Images/elpidio costa junior)
Por Carolina RiveiraPublicado em 08/04/2022 11:26 | Última atualização em 08/04/2022 12:19Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A inflação no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), principal índice inflacionário brasileiro, fechou o mês de março com variação de 1,62%, segundo divulgou nesta sexta-feira, 8, o IBGE. O acumulado em 12 meses ficou em 11,30%.

Essa é a maior variação para um mês de março desde 1994, em um período que antecedeu a implementação do Plano Real.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

A inflação de março também foi maior do que nos meses anteriores, em janeiro e fevereiro.

As duas principais frentes que explicam a alta histórica foram os aumentos em Alimentos e Bebidas (que subiram 2,42%) e Transportes (3,02%), que inclui os combustíveis. Juntos, os dois grupos responderam por mais de 70% do IPCA.

“Foi uma alta disseminada nos preços. Vários alimentos sofreram uma pressão inflacionária", disse em nota o gerente do IPCA, Pedro Kislanov.

"Isso aconteceu por questões específicas de cada alimento, principalmente fatores climáticos, mas também está relacionado ao custo do frete. O aumento nos preços dos combustíveis acaba refletindo em outros produtos da economia, entre eles, os alimentos."

Para os brasileiros, o desafio não é só a alta geral, mas o fato de que muitos itens essenciais apresentam, individualmente, aumentos muito acima da inflação.

Itens alimentares como cenoura e tomate tiveram altas de dois dígitos (31,4% e 27,2%, respectivamente) só no mês de março.

Já os combustíveis subiram, sozinhos, 6,7% no mês. A inflação de março foi a primeira do ano que trouxe parte dos impactos da última alta de preços de combustíveis, anunciada em 10 de março pela Petrobras em suas refinarias, após 57 dias de gasolina congelada.

Veja os itens que mais subiram de preço em março:

 Subitem Variação em março (%)
Melão 35.18
Pimentão 33.12
Cenoura 31.47
Tomate 27.22
Repolho 26.72
Mamão 19.51
Óleo diesel 13.65
Açaí (emulsão) 13.60
Manga 13.00
Melancia 12.29
Maçã 12.15
Banana d'água 10.59
Cebola 10.55
Uva 9.80
Leite longa vida 9.34
Óleo de soja 8.99
Brócolis 8.94
Alface 8.87
Morango 8.68
Transporte por aplicativo 7.98
Produto para pele 7.44
Ovo de galinha 7.08
Gasolina 6.95
Gás de botijão 6.57
Laranja-baía 6.50
Aluguel de veículo 6.48
Feijão-carioca (rajado) 6.43
Couve 5.65
Flores naturais 5.63

Veja os itens com maior alta acumulada em 12 meses:

 Subitem Variação em 12 meses (%)
Cenoura 166.17
Tomate 94.55
Pimentão 80.44
Melão 68.95
Melancia 66.42
Repolho 64.79
Café moído 64.66
Mamão 54.95
Óleo diesel 46.47
Gás veicular 45.54
Abobrinha 44.99
Transporte por aplicativo 42.74
Açúcar refinado 40.30
Alface 38.92
Mandioca (aipim) 36.12
Açúcar cristal 35.68
Laranja-baía 34.21
Gás encanado 33.37
Mudança 32.98
Açúcar demerara 31.89
Morango 31.54
Brócolis 30.35
Gás de botijão 29.56
Energia elétrica residencial 28.52
Pepino 28.12
Fubá de milho 28.03
Couve-flor 27.66
Gasolina 27.48

Conquiste um dos maiores salários no Brasil e alavanque sua carreira com um dos MBAs Executivos da EXAME Academy.