Economia

Setor de serviços recua 0,6% em setembro após cinco meses de crescimento

O resultado negativo interrompeu uma sequência de cinco meses de crescimento do setor

Restaurante Arturito ganhará novo endereço em 2024. (Eduardo Knapp/Folhapress)

Restaurante Arturito ganhará novo endereço em 2024. (Eduardo Knapp/Folhapress)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de novembro de 2021 às 09h53.

Última atualização em 12 de novembro de 2021 às 10h37.

O volume do setor de serviços do Brasil caiu 0,6 por cento em setembro em relação a agosto e teve alta de 11,4 por cento na comparação com o mesmo mês do ano anterior, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 12.

O resultado negativo interrompeu uma sequência de cinco meses de crescimento do setor. Projeções do mercado esperavam avanço de 0,5%. O IBGE destacou que com os números de setembro, o setor ainda ficou 3,7% acima do patamar pré-pandemia, mas 8% abaixo do recorde alcançado em novembro de 2014. Para André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos, a queda nos derviços foi impactada pela queda nos Transportes e serviços de informação.

EXAME lança e-book gratuito com 30 formas práticas de ter renda extra: baixe agora mesmo.

Apesar do resultado abaixo do esperado, o setor fechou o terceiro trimestre no azul, com avanço de 3% na comparação com os meses anterior, diferentemente da indústria e do varejo. No mês de setembro, os três dados apresentaram resultados negativos. 

Perfeito afirma que com o fechamento do terceiro trimestre das principais pesquisas do IBGE é seguro afirmar que economia brasileira parou no trimestre encerrado em setembro. "O resultado negativo sugere que a política monetária não precisa ser mais contracionista do que já está 'contratado' por assim dizer; mantemos projeção de alta de 150 pontos para a próxima reunião do Copom e Selic em 11,5% ao final do ciclo", explicou o economista.

Após os dados do setor de serviços, a Necton revisou sua projeção do PIB para 2022 de 1% para 0,3% na perspectiva de que os juros elevados irão contribuir ainda mais para desacelerar a economia que já está fragilizada. "O objetivo de se elevar os juros tem apenas um efeito no curto prazo que é controlar mais o dólar e acreditamos que este deve recuar mais fortemente em 2022 quando a SELIC efetivamente atingir dois dígitos", concluiu Perfeito. 

  • Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia e como eles afetam o seu bolso. Assine a EXAME 
Acompanhe tudo sobre:economia-brasileiraPandemiaRestaurantesServiçosTransportes

Mais de Economia

Plano Real, 30 anos: Jorge Gerdau e o 'divisor de águas' no desenvolvimento do país

Após enchentes, atividade econômica no RS recua 9% em maio, estima Banco Central

Lula se reúne hoje com equipe econômica para discutir bloqueios no Orçamento deste ano

CCJ do Senado adia votação da PEC da autonomia financeira do BC

Mais na Exame