Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Selic em 10% traria economia de quase um Bolsa Família por ano, diz secretário do Tesouro

Rogério Ceron ainda afirmou que cada ponto percentual de alta na taxa representa bilhões de reais em despesas com juros da dívida pública

Modo escuro

Continua após a publicidade
O secretário do Tesouro, Rogério Ceron, concede entrevista exclusiva à Exame (Leandro Fonseca/Exame)

O secretário do Tesouro, Rogério Ceron, concede entrevista exclusiva à Exame (Leandro Fonseca/Exame)

Em entrevista exclusiva à EXAME, o secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, afirmou nesta sexta-feira, 23, que se a taxa básica de juros (Selic) estivesse em 10% ao ano, o governo teria "quase que um Bolsa Família por ano economizado em termos de juros que estão sendo pagos na dívida pública". Na última quarta-feira, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve a Selic em 13,75% ao ano e o comunicado divulgado após a reunião criou um ruído quando a autoridade monetária iniciará o processo de corte.

“Não estou dizendo que deveria ser esse valor [para a taxa Selic] mas, se ela fosse, ao invés de 13,75% [ao ano], fosse 10% [ao ano] a Selic atualmente, você teria quase um Bolsa Família por ano economizado em termos de juros que estão sendo pagos na dívida pública”, disse.

LEIA MAIS: Agosto ou setembro? Mercado diverge sobre quando BC começa corte de juros

Ceron também afirmou que não se sente à vontade para comentar a política monetária, de competência do BC, e também disse que não gostaria que diretores da autoridade monetária comentassem a política fiscal, que é de sua responsabilidade. Entretanto, ele afirmou que cada ponto percentual de alta na Selic representa bilhões de reais em despesas com juros da dívida pública.

Cortes de incentivos tributários

Segundo Ceron, o Brasil gasta anualmente R$ 600 bilhões com incentivos tributários e uma redução de R$ 150 bilhões nesse montante pode endereçar o plano fiscal. O secretário do Tesouro declarou que os fundos fechados estão entre os benefícios tributários que podem ser revisados."O trabalhador recolhe até 27,5% de Imposto de Renda, por quê não a altíssima renda também contribuir?", questionou.

Ele ainda afirmou que o governo não prevê a criação de novos impostos mas quer acabar com as brechas legais que permitem, por exemplo, triangulações financeiras em paraísos fiscais que diminuem a arrecadação.

Ajuste nas contas públicas

O governo intensificará o processo de ajuste para equilibrar as contas públicas já em 2024, afirmou o secretário do Tesouro. Ele disse que as medidas já adotadas pelo governo geram receita adicional de cerca de R$ 100 bilhões para o próximo ano.

"O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, já disse que vamos perseguir [o equilíbrio das contas]. Vamos intensificar esse processo de ajuste e buscar já equilibrar as contas no ano seguinte, em 2024. Para que isso aconteça, precisamos recuperar a base fiscal, porque tivemos uma desoneração importante no ano passado, de 1,5% do PIB, sem medidas de compensação", afirmou

Além do pacote que pode render em torno de R$ 100 bilhões em receitas no próximo ano, Ceron disse que já existem outras medidas em construção, com foco no combate ao gasto tributário.

O secretário ainda disse que alguns gastos tributários são muito bons para alavancar a economia, outros não. Por isso, todos serão revistos, o que não significa que serão modificados.

Como exemplo, ele citou caso de vitória da União nos tribunais superiores na decisão que vetou que empresas não podem continuar abatendo do Imposto de Renda e Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) benefícios dados pelos Estados.

Déficit primário inferior a R$ 100 bi em 2023

O governo deve terminar 2023 com um déficit primário abaixo de R$ 100 bilhões, a depender dos efeitos fiscais de medidas já adotadas e outras variáveis que não são controladas pelo Executivo, disse Ceron.

"Começamos o ano com previsão de déficit de R$ 230 bilhões. Com as medidas tomadas no começo do ano, sinalizamos que poderiam reduzir para R$ 100 bilhões, algo em torno de 1% do PIB, esse foi o compromisso", disse.

Ele também afirmou que a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para a incidência de IRPJ e CSLL nas subvenções estaduais pode diminuir esse buraco.O secretário do Tesouro também disse que há outras variáveis fora do controle do governo, mas que todos os indicadores econômicos estão melhorando.

"A curva de juros está fechando, o câmbio está reduzindo, o real está se apreciando em relação ao dólar, o que tem impacto importante sobre a inflação, mas ele também afeta a receita, tem uma pontinha negativa de queda de arrecadação com imposto de importação e IPI", disse.

Ele também disse que a queda no preço de petróleo afeta arrecadação com royalties, mas é boa para a economia. "Tem casos que terão efeitos do ponto de vista fiscal, mas são bons para a economia", afirmou.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Estados perdem R$ 109 bi de ICMS em um ano estimam alíquota média em 20% para imposto em 2024

Economia

Estados perdem R$ 109 bi de ICMS em um ano estimam alíquota média em 20% para imposto em 2024

Há 13 horas

Preço do etanol cai em 14 Estados e no DF, sobe em 6 e fica estável em 6 Estados, aponta ANP

Economia

Preço do etanol cai em 14 Estados e no DF, sobe em 6 e fica estável em 6 Estados, aponta ANP

Há 13 horas

Reforma Tributária: Fazenda diz que precisa do apoio dos estados para aprovação

Economia

Reforma Tributária: Fazenda diz que precisa do apoio dos estados para aprovação

Há 16 horas

EXAME recebe nove prêmios em evento para veículos e jornalistas mais admirados de economia

Economia

EXAME recebe nove prêmios em evento para veículos e jornalistas mais admirados de economia

Há 16 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Veículo de luxo financiado? Entenda por que essa pode ser uma boa opção

Veículo de luxo financiado? Entenda por que essa pode ser uma boa opção

ApexBrasil reúne investidores e governos em fórum no Itamaraty

ApexBrasil reúne investidores e governos em fórum no Itamaraty

Como a Suvinil tem reciclado o resto de tinta que você não usa

Como a Suvinil tem reciclado o resto de tinta que você não usa

Bastidores da produção sustentável do cacau viram série no Globoplay com Rodrigo Hilbert

Bastidores da produção sustentável do cacau viram série no Globoplay com Rodrigo Hilbert

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais