Economia

Brasil fica na 17ª posição em ranking global do PIB do 1º trimestre de 2024; veja lista completa

No primeiro trimestre, o Brasil teve valor corrente em moeda local de R$ 2,7 trilhões

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 4 de junho de 2024 às 10h08.

Última atualização em 4 de junho de 2024 às 10h39.

Tudo sobrePIB do Brasil
Saiba mais

A alta de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) coloca o Brasil em 17º lugar em comparação com o avanço da atividade econômica de 53 economias, segundo projeções compiladas pelo Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating. 

O cálculo se baseia no valor corrente do PIB e as projeções do Fundo Monetário Internacional para as principais economias globais. No primeiro trimestre, o Brasil teve valor corrente em moeda local de R$ 2,7 trilhões.

O resultado divulgado pelo IBGE colocou o Brasil à frente Estados Unidos, Alemanha, França e Reino Unido, país que integram as dez maiores economias do mundo. O país que mais cresceu no período foi Israel, com alta de 3,4%, seguido pela Turquia, com 2,4% no trimestre. 

A nação com o pior desempenho foi a Nigéria, que recuou 16,1% no período. A cara acentuada ficou distante do segundo país com o pior desempenho, a Dinamarca, com redução de 1,8%.

Os Estados Unidos, a maior potência do mundo, ficou em 32ªlugar, com alta de 0,3%. A China ficou em 5ª lugar, com crescimento de 1,6%. A média dos países membros do G7, Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, ficou em 0,2%.

PIB do 1º tri cresce 0,8%

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 0,8% no primeiro trimestre de 2024, na comparação com os três meses imediatamente anteriores.

O resultado ficou em linha com a expectativa do mercado financeiro, que esperava uma alta entre 0,6% e 0,9%. Alta do setor de serviços e crescimento do consumo das famílias explicam o resultado positivo da economia brasileira.

Na comparação com o mesmo trimestre de 2023, o PIB cresceu 2,5%. Segundo o IBGE, essa é a primeira taxa positiva, após estabilidade nos últimos dois trimestres do ano passado. O PIB acumula alta de 2,5% no período de 12 meses.

Acompanhe tudo sobre:PIB do Brasil

Mais de Economia

Nova presidente da Petrobras troca três dos oito diretores da estatal

Votação do Marco Regulatório do Hidrogênio deve ocorrer antes do recesso, diz Arnaldo Jardim

Opinião: Hidrogênio para a Neoindustrialização

Prévia do PIB: IBC-Br fica estável e fecha abril com variação de 0,01%, abaixo da expectativa

Mais na Exame