A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Posição ambígua do governo pode comprometer o agronegócio

Para o Ibre, o elevado crescimento verificado na última década não será mantido se o governo continuar hesitando no apoio ao agronegócio capitalista

O tão festejado superávit comercial recorde de 33,7 bilhões de dólares, conquistado pelo Brasil no ano passado, não seria alcançado sem o avanço das exportações do agronegócio. Apesar disso, o governo continua demonstrando uma política ambígua em relação ao setor, que pode comprometer o desempenho no futuro. A análise partiu do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas.

Segundo o Ibre, um exemplo da hesitação das autoridades em desenvolver o agronegócio é a postura em relação aos transgênicos, que "pode estar refreando progressos com potencial tão promissor quanto os da soja do cerrado e da soja tropical no passado". O instituto lembra que o algodão transgênico do tipo BT (Bacilus Turgensis), por exemplo, é proibido no Brasil, mas já está sendo plantado em nações como a Austrália, tão ou mais conservadora que os brasileiros em termos de proteção ambiental.

"O risco é o de que a ambigüidade do poder público em relação ao agronegócio capitalista, refletida também na forma de tratar a questão dos transgênicos, impeça o contínuo bom funcionamento da moldura institucional que permitiu o grande salto das últimas décadas", afirma o Ibre.

Outro desafio para assegurar a competitividade do setor no mercado externo é a questão sanitária. Em vários episódios, outros países questionaram as condições sanitárias do Brasil. São exemplos recentes a suspeita de vaca louca, levantada pelo Canadá, o embargo das exportações de soja para a China e de carne suína para a Rússia. Em todos os casos, o governo brasileiro se mobilizou para provar o cuidado com que os produtos são processados. Mesmo assim, o Ibre recomenda maior atenção para o problema, pois "uma acusação nem sempre bem fundamentada de um país importador pode arrasar globalmente as vendas externas de um determinado produto".

O terceiro ponto que o governo precisa atacar é a infra-estrutura logística, a fim de favorecer o escoamento da produção do agronegócio. As más condições das estradas, a malha ferroviária ainda insuficiente e o congestionamento nos portos são fatores de redução das margens do setor.

Quanto às negociações internacionais, o Ibre afirma que é necessário insistir na conclusão de acordos de livre comércio com os diversos blocos econômicos e organismos multilateriais, como a Organização Mundial de Comércio (OMC). Segundo o Ibre, o forte protecionismo que cerca o agronegócio em outros países prejudica a competitividade brasileira.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também