PMI industrial do Brasil desacelera a 64 pontos em novembro

A pesquisa apurou crescimento das vendas totais do setor industrial brasileiro, puxada por aumento de exportações pelo terceiro mês seguido

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial brasileiro desacelerou de 66,7 pontos em outubro para 64,0 pontos em novembro, informou nesta terça-feira 1º de dezembro, a IHS Markit. Apesar do arrefecimento, o índice continuou em terreno expansionista: quando acima de 50 pontos, o PMI representa melhora em relação ao mês anterior.

"As taxas de expansão de novos pedidos, produção e compra de insumos se atenuaram, mas permaneceram mais sólidas do que o observado antes do surto de Covid-19.", afirma a diretora econômica da IHS Markit, Pollyanna de Lima, em nota.

A pesquisa apurou crescimento das vendas totais, puxada por aumento de exportações pelo terceiro mês seguido. As empresas adquiriram mais insumos e aumentaram o ritmo de contratações no mês. Na outra ponta, houve aumento recorde nos custos de matérias-primas, com escassez de insumos e depreciação do real.

"Os comentários dos participantes sugerem que a desaceleração foi um reflexo principalmente da escassez de matérias-primas, tendo os esforços para abastecer as reservas de estoque sido equilibrados pelas interrupções nas cadeias de suprimentos", diz Lima, na nota.

Os negócios pendentes aumentaram no ritmo mais acentuado da série histórica da pesquisa e os estoques de produtos caíram pelo 15º mês seguido.

Apesar da escassez de matérias-primas, as empresas continuaram otimistas com um aumento da produção nos próximos 12 meses.

A IHS Markit espera manutenção desta tendência nas próximas divulgações, conforme a indústria se concentra na recomposição de estoques e no atendimento aos pedidos em atraso.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.