Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA saltam para máxima em mais de 2 anos

Número provavelmente não indica um aumento nas demissões, já que os dados tendem a ser voláteis no período após o feriado do Dia de Ação de Graças

Washington — O número de norte-americanos que apresentaram pedidos de auxílio-desemprego saltou para uma máxima em mais de dois anos na semana passada, mas isso provavelmente não indica um aumento nas demissões, já que os dados tendem a ser voláteis no período após o feriado do Dia de Ação de Graças.

Os pedidos iniciais de seguro-desemprego nos Estados Unidos subiram em 49 mil, para 252 mil (dado ajustado sazonalmente) na semana encerrada em 7 de dezembro, a maior leitura desde setembro de 2017, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira. O aumento foi o maior desde agosto de 2017.

As reivindicações caíram para 203 mil na semana anterior, uma mínima em sete meses. O declínio provavelmente refletiu um Dia de Ação de Graças nos EUA mais perto do final do ano em comparação a 2018, que poderia ter descartado o modelo usado pelo governo para eliminar as flutuações sazonais dos dados.

Economistas consultados pela Reuters previam que as reivindicações avançariam para 213 mil na última semana.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.