Passos Coelho não considera encerrada crise política

Após três rodadas de negociações, o primeiro-ministro anunciou que continuarão as conversações na busca de "condições" para governar

Lisboa - O primeiro-ministro português, o conservador Pedro Passos Coelho, anunciou nesta quinta-feira que não considera a crise no país encerrada, mas que há uma fórmula para garantir a estabilidade do Governo.

Após três rodadas de negociações - abertas na noite de quarta-feira, com o demissionário ministro das Relações Exteriores, Paulo Portas, líder do partido que lhe dá maioria no Parlamento, e um encontro com o presidente do país, Aníbal Cavaco Silva - o primeiro-ministro anunciou que continuarão as conversações na busca de "condições" para governar.

Em uma breve e confusa declaração aos jornalistas depois da reunião com Cavaco Silva, o primeiro-ministro declarou que "será encontrada uma forma de poder garantir o apoio político do Centro Democrático Social Partido Popular (CDS-PP) ao governo e, dessa forma garantir a estabilidade política do país".

"A renúncia de Portas 'não afeta' o apoio de seu partido ao governo", acrescentou.

"A legenda e o Partido Social Democrata (PSD, centro-direita) buscarão a melhor fórmula de garanti-lo", informou o primeiro-ministro, que não respondeu às perguntas dos jornalistas.

A crise política desencadeada em Portugal na terça-feira com a demissão de Portas, que justificou sua decisão por não estar de acordo com o chefe do Executivo na nomeação da nova ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque.

A nova ministra das Finanças, que foi secretária de Estado do Tesouro tomou posse apenas uma hora depois que a saída de Portas foi oficializada, cuja renúncia apesar de ser "irrevogável" foi rejeitada por Passos Coelho em discurso ao país, no qual prometeu recuperar o consenso no seio da aliança do Governo. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.