Novo presidente do Bird diz estar aberto a países ricos

Jim Yong Kim, afirmou que está aberto à possibilidade de a instituição fornecer opinião técnica para lidar com problemas estruturais em países desenvolvidos como a Grécia

Washington - O novo presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, afirmou nesta segunda-feira que está aberto à possibilidade de a instituição fornecer opinião técnica para lidar com problemas estruturais em países desenvolvidos como a Grécia, em uma forte mudança da postura de luta contra a pobreza da instituição.

Enquanto Kim ressaltou que sua prioridade seria proteger nações em desenvolvimento em um "momento crucial" para uma economia global que perde força rapidamente, ele disse também que o Bird poderia fornecer experiência técnica para ajudar países mais ricos com problemas estruturais.

"Nós só vamos aos países quando pedido, mas acredito que o tipo de opinião técnica que temos pode ser relevante em muitos, muitos países do mundo, incluindo os de alta renda", disse Kim a repórteres em seu primeiro dia como presidente do banco.

"Conversei com nossos funcionários... e minha equipe sente que tem experiência relevante que pode adicionar valor, e se esse for o caso e houver um pedido, posso estar aberto à possibilidade" de ajudar a Grécia, completou.


O presidente anterior do Bird, Robert Zoellick, já havia descartado a ideia de o banco se envolver na Grécia.

Ainda assim, muitos especialistas em desenvolvimento e alguns analistas têm dito com frequência que a experiência do Banco Mundial na resolução de problemas estruturais em nações em desenvolvimento, como no fortalecimento de suas capacidades institucionais, no combate à corrupção e na atração de investimentos, seria útil em países como Grécia ou Portugal.

Um resgate internacional para a endividada Grécia manteve o país na zona do euro, mas teve como contrapartida cortes profundos de gastos, pobreza e desemprego crescentes.

"Não estamos falando de o Banco Mundial investir grandes quantias de dinheiro em países com alta renda", reforçou Kim. Onde nós achamos que podemos agregar valor (no caso dessas nações) é no apoio técnico em alguns dos temas estruturais que alguns países estão enfrentando", acrescentou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.