Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Mais de 3,4 mil imóveis em SP pertencem a empresas offshores

A constatação foi feita por um estudo da Transparência Internacional, que suspeita de lavagem de dinheiro oriundo de desvios dos cofres públicos

Modo escuro

Continua após a publicidade
Imóveis: a estratégia desses corruptos foi investir em imóveis que, conforme a ONG, têm risco relativamente baixo (Jurema Oliveira/Wikimedia Commons)

Imóveis: a estratégia desses corruptos foi investir em imóveis que, conforme a ONG, têm risco relativamente baixo (Jurema Oliveira/Wikimedia Commons)

A
Agência Brasil

Publicado em 10 de abril de 2017 às, 11h06.

Última atualização em 10 de abril de 2017 às, 11h07.

Mais de 3,4 mil imóveis localizados nas áreas mais caras de São Paulo, avaliados em cerca de US$ 2,7 bilhões, pertencem a empresas ligadas às offshores - corporações abertas nos chamados paraísos fiscais, países que oferecem isenções de impostos, taxas e ainda mantém sob sigilo o nome do proprietário.

Esta constatação foi feita pelo estudo da Transparência Internacional, uma organização não governamental (ONG) com sede em Berlim, capital da Alemanha. A ONG suspeita de lavagem de dinheiro oriundo de desvios dos cofres públicos.

De acordo com o levantamento, 236 empresas em regime de offshore detêm 3.452 propriedades, em São Paulo, onde estão as sedes de mais da metade (65%) das companhias estrangeiras no Brasil.

Em seu relatório, a ONG destaca que essa concentração se deve ao fato da presença na capital paulista da maior bolsa de valores da América Latina, a atual B3, ex- BM&FBovespa, que atrai os investidores para imóveis de grande valorização no mercado.

Mais da metade dessas empresas (87%) estão registradas em cinco localidades: nas lhas Virgens Britânicas, no Uruguai, nos Estados Unidos, no Panamá e na Suíça.

Segundo o estudo, recursos originados de corrupções são aplicados em offshore, nas Ilhas Virgens Britânicas e no Panamá, onde o anonimato no registro de empresas facilita que "corruptos driblem autoridades fiscais e policiais."

A ONG acrescenta que em 70% dos 200 grandes casos de corrupção analisados pelo Banco Mundial, os arranjos corporativos secretos, como trusts e empresas offshore foram utilizadas para lavagem de dinheiro e para esconder o proprietário dos ativos adquiridos.

A estratégia desses corruptos foi investir em imóveis que, conforme a ONG, tem risco relativamente baixo, o que permite a lavagem de dinheiro de grandes quantias em única operação.

"Como os verdadeiros donos estão escondidos, não se sabe ao certo o montante de propriedades compradas com recursos da corrupção", cita o relatório. No estudo, a Transparência Internacional citou o caso do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, preso em 2015, por participar do esquema de corrupção na Petrobras.

A ONG lembra que Cerveró foi sentenciado a cinco anos de prisão por comprar um apartamento de luxo no valor de US$ 2,4 milhões, no Rio de Janeiro, com recursos de propina e para isso utilizou uma empresa offshore.

O estudo alerta que" investidor offshore, age por meio de "profissionais facilitadores" - advogados, contadores e corretores - podem controlar pessoas jurídicas no Brasil e, por meio dessas, comprar joias, iates e propriedades imobiliárias. Essas operações, muitas vezes, tentam ocultar os proventos e rastros da grande corrupção."

Últimas Notícias

Ver mais
PIB deve registrar queda no 3º tri de 2023. Riscos fiscais, externos e juros serão destaques em 2024

Economia

PIB deve registrar queda no 3º tri de 2023. Riscos fiscais, externos e juros serão destaques em 2024

Há 6 horas

Conta das criptomoedas superou US$ 1 bi em outubro, revela BC

Economia

Conta das criptomoedas superou US$ 1 bi em outubro, revela BC

Há 7 horas

Subir juros além do necessário pode destruir evolução do mercado de trabalho, diz membro do BCE

Economia

Subir juros além do necessário pode destruir evolução do mercado de trabalho, diz membro do BCE

Há 7 horas

Juros: Taxas sobem com curva dos EUA e dólar, à espera de Campos Neto

Economia

Juros: Taxas sobem com curva dos EUA e dólar, à espera de Campos Neto

Há 11 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Pós-graduação pode ser alternativa para quem quer dar uma guinada na carreira

Pós-graduação pode ser alternativa para quem quer dar uma guinada na carreira

Huawei leva tecnologia à Amazônia para preservação ambiental e inclusão digital

Huawei leva tecnologia à Amazônia para preservação ambiental e inclusão digital

Borra de café reciclada vira copo na Argentina e aditivo para concreto na Austrália
Negócios

Borra de café reciclada vira copo na Argentina e aditivo para concreto na Austrália

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais