Economia

Lula condena subsídios de países ricos à agricultura

Em visita do chefe de Estado de camarões, presidente defendeu novamente o fim dos subsídios nos países ricos

O presidente Lula recebeu a vista do presidente de Camarões, Paul Biya (Wilson Dias/ABr)

O presidente Lula recebeu a vista do presidente de Camarões, Paul Biya (Wilson Dias/ABr)

DR

Da Redação

Publicado em 4 de agosto de 2010 às 16h18.

Brasília - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reiterou sua condenação aos subsídios do setor agrícola nos países desenvolvidos ao receber hoje o líder de Camarões, Paul Biya, quem iniciou sua primeira visita a Brasília.

Em discurso de boas-vindas, Lula afirmou que Brasil e Camarões trabalham "lado a lado pelo multilateralismo, eliminação dos subsídios e acesso aos mercados das nações mais ricas".

Lula lembrou o "meio século de independência" que Camarões celebra este ano e disse que, nesse período, essa nação vem "lutando contra o atraso e o subdesenvolvimento deixado pelo colonialismo, que só via na África reservas de matérias-primas e mão-de-obra barata".

Biya agradeceu as palavras de Lula e destacou a "notável projeção do Brasil no cenário internacional", o que faz com que o país seja "um modelo para Camarões" em assuntos como o combate à pobreza.

No encontro, foram assinados acordos bilaterais em agricultura e pecuária, turismo e cultura.

Lula reiterou a disposição de seu Governo a propiciar iniciativas para "resgatar o conhecimento da identidade nacional" do Brasil, país que durante a colonização portuguesa foi receptor de escravos, "e ver no renascimento africano uma esperança para o mundo".

Ele também lembrou que, desde que chegou ao poder em 2003, conferiu às relações com a África o caráter de "política de Estado", isto é, uma meta permanente do país.

As relações comerciais entre Brasil e Camarões eram de US$ 13 milhões em 2002, no ano antes de Lula assumir o poder. No ano passado, esse número chegou a US$ 106 milhões, mas o presidente ainda assim propôs a Biya estudar fórmulas para impulsionar o comércio.

Após o encontro com Lula, Biya tem previsto visitar a Câmara dos Deputados, o Senado e o Supremo Tribunal Federal.

Amanhã, antes de concluir sua visita, o líder camaronês participará da inauguração da embaixada de Camarões em Brasília, que será a primeira dessa nação africana em um país da América Latina.

Veja mais sobre Subsídios

Siga as últimas notícias de Economia no twitter

 

Acompanhe tudo sobre:ÁfricaAmérica LatinaDados de BrasilDiplomaciaLuiz Inácio Lula da SilvaPersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos TrabalhadoresSubsídios

Mais de Economia

Corte anunciado por Haddad é suficiente para cumprir meta fiscal? Economistas avaliam

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Mais na Exame