Economia

Japão defende contribuições da Toyota nos EUA após tuíte de Trump

O secretário-chefe do gabinete japonês, Yoshihide Suga, descreveu a Toyota como "uma boa cidadã corporativa" nos EUA

Donald Trump: o presidente eleito criticou a Toyota por planejar construir uma fábrica no México (Drew Angerer/Getty Images)

Donald Trump: o presidente eleito criticou a Toyota por planejar construir uma fábrica no México (Drew Angerer/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 6 de janeiro de 2017 às 09h04.

Última atualização em 6 de janeiro de 2017 às 09h13.

Tóquio - O secretário-chefe do gabinete japonês, Yoshihide Suga, defendeu hoje a contribuição da Toyota para a economia dos EUA após críticas feitas à montadora pelo presidente eleito dos EUA, Donald Trump.

Suga descreveu a Toyota como "uma boa cidadã corporativa" nos EUA e disse acreditar que Trump tem sólida compreensão da importância do comércio internacional, dada sua experiência como grande empresário.

Suga, no entanto, evitou comentar diretamente como o Japão poderá responder às futuras políticas comerciais de Trump.

Em tuíte publicado ontem, Trump criticou a Toyota por planejar construir uma fábrica no México e ameaçou cobrar um imposto sobre carros da montadora japonesa importados daquele país. Suga preferiu não comentar sobre a mensagem de Trump.

Foi a primeira vez que Trump criticou uma montadora estrangeira, uma vez que o presidente eleito vinha focando empresas americanas anteriormente.

A Toyota vem fazendo investimentos pesados em ambos os lados da fronteira entre os EUA e o México, num esforço que já dura décadas de produzir carros perto de onde eles são vendidos.

Fonte: Dow Jones Newswires.

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpEmpresasEstados Unidos (EUA)JapãoToyota

Mais de Economia

Brasil exporta 31 mil toneladas de biscoitos no 1º semestre de 2024

Corte anunciado por Haddad é suficiente para cumprir meta fiscal? Economistas avaliam

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Mais na Exame