Economia

Prévia da inflação: IPCA-15 sobe 0,69% em março com alta na gasolina

O acumulado do IPCA-15 em 12 meses ficou em 5,36%. O destaque do mês foi o grupo Transportes, com variação no preço da gasolina

Combustíveis: gasolina teve alta de 5,76% no mês (Rodrigo Capote/Getty Images)

Combustíveis: gasolina teve alta de 5,76% no mês (Rodrigo Capote/Getty Images)

Carolina Riveira
Carolina Riveira

Repórter de Economia e Mundo

Publicado em 24 de março de 2023 às 09h19.

Última atualização em 24 de março de 2023 às 10h19.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), prévia da inflação mensal, subiu 0,69% em março, segundo divulgado nesta sexta-feira, 24, pelo IBGE.

  • O acumulado em 12 meses ficou em 5,36%;
  • No acumulado do ano, a partir de janeiro, a variação é de 2,01%.

A variação dos preços em março representa uma desaceleração frente ao mês anterior: no índice de fevereiro, o IPCA-15 havia subido 0,76%.

O resultado veio em linha com as expectativas do mercado, que esperava variação em torno de 0,67%.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram alta no mês de março, com exceção de Artigos de Residência (queda de 0,18%). O maior impacto no índice e a maior alta (1,50%) vieram de Transportes, grupo que inclui os combustíveis.

O IPCA-15 diz respeito ao período entre a última quinzena do mês anterior e a primeira quinzena do mês atual, e é considerado uma prévia do IPCA final, que abrange o mês completo e é divulgado no mês seguinte. Para o IPCA-15 deste mês, os preços foram coletados no período de 11 de fevereiro a 15 de março e comparados com os preços vigentes de 13 de janeiro a 10 de fevereiro de 2023.

Gasolina tem maior impacto no mês; diesel tem queda

A gasolina subiu 5,76% no mês, impactada pela reoneração dos tributos federais a partir de 1º de março, isto é, incluindo parte do período medido no IPCA-15. Os tributos federais sobre combustíveis estavam zerados desde o ano passado, e foi reincorporada uma alíquota de R$ 0,47 para o litro de gasolina e R$ 0,02 para o litro de etanol.

A gasolina foi o subitem com maior impacto individual no IPCA-15 de março (contribuindo 0,26 p.p para o índice geral).

  • Ao todo, os combustíveis tiveram alta de 4,67% no IPCA-15 de março;
  • O etanol também subiu em março, com alta de 1,96%;
  • O óleo diesel teve queda de 4,86%.

O grupo Saúde e cuidados pessoais (1,18%) foi o segundo com maior alta.

O impacto foi puxado por perfumes (alta de 5,88% e impacto de 0,06 p.p), mas vários itens tiveram variações acima da inflação geral no IPCA-15 de março, como higiene pessoal (2,36%) e artigos de maquiagem (3,81%).

O IBGE aponta ainda que o item plano de saúde (alta de 1,20% no mês) "segue incorporando as frações mensais dos reajustes dos planos novos e antigos para o ciclo de 2022 a 2023".

Outro destaque veio do grupo Habitação (alta de 0,81%), puxado pela energia elétrica residencial, que teve alta de 2,85% (e impacto de 0,11 p.p). Em algumas concessionárias do Rio de Janeiro foram aplicados reajustes, e em outras, como em Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e parte de São Paulo, o ICMS, tributo estadual, foi reincluído na base de cálculo.

Alimentos têm desaceleração nos preços

A alimentação teve desaceleração no mês. Ao todo, o grupo Alimentação e Bebidas subiu 0,20% em março, frente à variação de 0,39% que havia tido em fevereiro. Os destaques foram:

  • A batata-inglesa caiu 13,14%;
  • A cebola caiu 12,13%;
  • O tomate caiu 6,34%;
  • O óleo de soja caiu 2,47%;
  • O contrafilé caiu 2,04%;
  • O frango em pedaços caiu 1,94%;
  • Pelo lado das altas, um dos destaques foi o ovo de galinha, que subiu 8%.

a alimentação fora do domicílio acelerou, indo de 0,40% em fevereiro para 0,68% em março, com destaque para o preço do lanche, que subiu 1,02%.


Quanto está a inflação no Brasil?

No IPCA-15, prévia da inflação mensal e que vai de meados de um mês até meados do próximo, a inflação acumulada em 12 meses no índice de março ficou em 5,36%.

Os dados são os últimos divulgados no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do IBGE. A inflação fechada de cada mês é sempre divulgada no início do mês seguinte.

Quanto será a inflação em 2023?

O consenso dos analistas é de inflação em 5,95% no ano de 2023, de acordo com a última edição do boletim Focus, publicada em 23 de março. A projeção diz respeito às opiniões de analistas de mercado ouvidos pelo Banco Central semanalmente.

O que é IPCA acumulado?

Como em todos os índices inflacionários, o IPCA tem uma variação mensal, que diz respeito a quanto os preços dos produtos e serviços pesquisados subiram em um mês. Já o acumulado diz respeito à variação em um período maior.

O IPCA acumulado nos últimos 12 meses, por exemplo, é a soma das variações ao longo desse período. Já o IPCA acumulado só neste ano de 2023, por ora, é a inflação vista em janeiro e fevereiro.

Do que o IPCA é composto e como se mede a inflação?

O IPCA é calculado pelo IBGE com base em uma cesta de produtos e serviços que, por meio de pesquisas e outras informações, se sabe que um brasileiro típico consume. O IPCA, assim, tenta apontar "a variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 e 40 salários mínimos", segundo o IBGE. O índice é dividido em nove grupos:

  • Alimentação e bebidas
  • Habitação
  • Artigos de residência
  • Vestuário
  • Transportes
  • Saúde e cuidados pessoais
  • Despesas pessoais
  • Educação
  • Comunicação

Cada grupo tem dezenas ou até centenas de itens cujos preços são monitorados para calcular o valor final do IPCA. Além disso, os itens têm pesos diferentes no cálculo do índice. As passagens aéreas, por exemplo, têm peso menor do que o transporte público, por serem usadas por uma fatia menor da população ou com menos frequência.

Por que se usa o IPCA para medir inflação?

O IPCA é somente um dos índices que medem a inflação. Há outros, com focos e pesos distintos. Para reajustar o aluguel, por exemplo, muitos locatários costumam usar o IGP-M (Índice Geral de Preços), que tem impacto maior de frentes como o dólar; já para obras, se usa o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), que confere maior peso aos custos dos materiais de construção.

O IPCA é o principal índice brasileiro por ser usado para mensurar a inflação em canais oficiais, como nas metas do governo e do Banco Central. O INPC, por sua vez, é usado para reajustar o salário mínimo, por dizer respeito a famílias com até cinco salários.

Acompanhe tudo sobre:IPCAInflação

Mais de Economia

Novos dados aumentam confiança do Fed em desaceleração da inflação, diz Powell

Lula pede solução de contradições de europeus para acordo com Mercosul

Crescimento econômico da China desaponta e pressiona Xi Jinping

Prévia do PIB: IBC-Br sobe 0,25% em maio, após estabilidade em abril

Mais na Exame