IPCA-15 sobe 1,17% em novembro e acumula alta de 10,73% em 12 meses

Essa é a maior variação para um mês de novembro desde 2002
Transportes registrou o maior aumento e foi influenciado pela alta nos preços da gasolina, de 6,62% (Busakorn Pongparnit/Getty Images)
Transportes registrou o maior aumento e foi influenciado pela alta nos preços da gasolina, de 6,62% (Busakorn Pongparnit/Getty Images)
I
Isabela Rovaroto

Publicado em 25/11/2021 às 09:32.

Última atualização em 25/11/2021 às 09:46.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial, subiu 1,17 por cento em novembro, sobre alta de 1,20 por cento no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

  • Quer saber tudo sobre a retomada econômica? Assine a EXAME e saiba mais.

Essa é a maior variação para um mês de novembro desde 2002, quando o índice foi de 2,08%. O acumulado no ano foi de 9,57% e, em 12 meses, de 10,73%, acima dos 10,34% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em novembro de 2020, a taxa havia sido de 0,81%.

Todos os nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em novembro.

Grupo Variação (%) Impacto (p.p.)
Outubro Novembro Outubro Novembro
Índice Geral 1,20 1,17 1,20 1,17
Alimentação e bebidas 1,38 0,40 0,29 0,08
Habitação 1,87 1,06 0,30 0,17
Artigos de residência 0,53 1,53 0,02 0,06
Vestuário 1,32 1,59 0,05 0,07
Transportes 2,06 2,89 0,43 0,61
Saúde e cuidados pessoais -0,01 0,80 0,00 0,10
Despesas pessoais 0,77 0,61 0,08 0,06
Educação 0,09 0,01 0,01 0,00
Comunicação 0,34 0,32 0,02 0,02
Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços, Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor.  

Transportes registrou o maior aumento entre os grupos, de 2,89% e foi influenciado, principalmente, pela alta nos preços da gasolina, de 6,62%. No ano, o combustível acumula alta de 44,83% e, em 12 meses, de 48,00%. Também houve altas nos preços do óleo diesel (8,23%), do etanol (7,08%) e do gás veicular (2,59%).

O segundo grupo com maior variação foi o de Habitação, com aumento de 1,06%. A maior contribuição foi do gás de botijão (4,34%), cujos preços subiram pelo 18° mês consecutivo, acumulando 51,05% de alta no período iniciado em junho de 2020.

A energia elétrica (0,93%) teve variação menor que a de outubro (3,91%) e contribuiu com 0,05 p.p. no índice do mês. Desde setembro, está em vigor a bandeira tarifária escassez hídrica, que acrescenta R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 kWh consumidos.