Inflação no Reino Unido cai e aumenta recuperação

Existe uma esperança de que um alívio na inflação permitirá que os pressionados consumidores aumentem os gastos neste ano

Londres - A inflação britânica caiu em fevereiro para o menor nível em mais de um ano, mostraram dados oficiais divulgados nesta terça-feira, mantendo viva a esperança de que um alívio na inflação permitirá que os pressionados consumidores aumentem os gastos neste ano e impulsionem a economia.

No entanto, a queda no principal indicador de inflação para 3,4 por cento, contra 3,6 por cento em janeiro, foi ligeiramente menor do que os economistas tinham previsto, destacando o risco de que as pressões inflacionárias não vão desaparecer tão rapidamente como o banco central e o governo esperavam.

A libra esterlina atingiu a máxima da sessão ante o euro, enquanto os gilts (títulos do governo britânico) caíram com os dados, na medida em que o lento declínio da inflação somou-se à visão de que o Banco da Inglaterra estará relutante em aprovar mais compras de ativos, uma vez que o programa atual termina em maio.

O ministro das Finanças, George Osborne, pretende dar algum alívio para a população de baixa e média renda quando apresentar o seu orçamento anual na quarta-feira, apesar de suas atuais ações para apagar o enorme déficit orçamentário da Grã Bretanha. A queda da inflação é, portanto, vista como crucial para que a frágil recuperação econômica acelere.

O Escritório Nacional de Estatísticas disse que uma queda nos preços de habitação, eletricidade, lazer e cultura empurrou a inflação global para baixo, enquanto um aumento recorde nos preços das bebidas alcoólicas foi o que mais contribuiu para o aumento do custo de vida.

Os economistas esperavam uma queda na inflação para 3,3 por cento, estendendo um declínio que vem desde o pico de três anos atingido em setembro, de 5,2 por cento.

"O recente aumento dos preços do petróleo não impediu a inflação do Reino Unido de dar mais um passo para baixo em fevereiro, embora o ritmo tenha desacelerado um pouco", disse a analista do Capital Economics Vicky Redwood.

A inflação pode até subir novamente por um breve período, devido aos altos preços da gasolina e ao risco de aumento dos custos dos alimentos. "No entanto, esses fatores devem apenas retardar a velocidade com que a inflação cai, em vez de impedir que ela recue totalmente", disse a analista.

Em um sinal de que as pressões inflacionárias subjacentes também estão desaparecendo, o núcleo da inflação -que exclui componentes voláteis como alimentos e energia- caiu para 2,4 por cento, o menor nível desde novembro de 2009.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.