• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

Governo avalia timing para enviar reforma administrativa, diz secretário

Paulo Uebel não deu detalhes sobre as mudanças que o texto deve apresentar para o funcionalismo público e nem sobre qual timing seria esse
Guedes e Bolsonaro: governo ainda não determinou data para envio da reforma administrativa ao Congresso (AFP/Mauro Pimentel)
Guedes e Bolsonaro: governo ainda não determinou data para envio da reforma administrativa ao Congresso (AFP/Mauro Pimentel)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 12/02/2020 17:34 | Última atualização em 12/02/2020 17:34Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, reafirmou nesta quarta-feira, 12, que o governo continua esperando o melhor momento para apresentar a reforma administrativa.

Após participar do seminário de "Abertura do Ano", organizado pelo Grupo Voto, Uebel evitou responder as perguntas dos jornalistas e disse apenas que o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, já falou sobre o tema. "O governo avalia o melhor timing para enviar a proposta de reforma administrativa", afirmou.

Questionado novamente sobre detalhes da reforma e que timing seria esse, o secretário apenas sorriu e disse que estava atrasado para outro compromisso.

O Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) mostrou na terça-feira, 11, no entanto, que a reforma administrativa não tem mais prazo para chegar aos parlamentares.

O recuo foi decidido pelo Palácio do Planalto após consultas a lideranças no Parlamento, que apontaram falta de "clima político" para o governo enviar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

Carreiras do funcionalismo

Apesar das indicações de que o Planalto praticamente desistiu de enviar uma proposta de reforma administrativa ao Congresso, o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia disse que o governo continua debatendo internamente mudanças na forma de contratação dos servidores públicos.

"Estamos estudando mudanças enquanto a Câmara dos Deputados e o Senado também estudam reformas próprias", afirmou, em seminário. Uebel disse que a realização de novos concursos públicos representa a criação de vínculos de 70 a 80 anos para a União, considerando o período na ativa do servidor, o período como aposentado e ainda o tempo dos pensionistas.

"É preciso ver se o concurso realmente é necessário. Caso contrário, é preciso investir na digitalização de processos na contratação de temporários para solucionar questões pontuais", completou o secretário.