EUA reduzem cota de importação de aço semiacabado do Brasil, diz Itamaraty

A isenção de tarifas sobre o comércio bilateral dentro da cota foi mantida
Terminal de embarque da Companhia Siderúrgica Nacional (Dado Galdieri/Bloomberg)
Terminal de embarque da Companhia Siderúrgica Nacional (Dado Galdieri/Bloomberg)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 29/08/2020 21:10 | Última atualização em 29/08/2020 21:10Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Os Estados Unidos reduziram a cota de aço semiacabado que o Brasil pode exportar para o país sem tarifas. A informação foi confirmada, neste sábado, 29, em nota conjunta dos Ministérios das Relações Exteriores e da Economia.

O volume da nova cota não foi divulgado. A nota ressalta que a isenção de tarifas sobre o comércio bilateral dentro da cota foi mantida, "a exemplo do que ocorreu em 2019 como resultado de contato entre os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump".

"O governo brasileiro mantém a firme expectativa de que a recuperação do setor siderúrgico dos Estados Unidos, o diálogo franco e construtivo na matéria, a ser retomado em dezembro próximo, e a excepcional qualidade das relações bilaterais permitirão o pleno restabelecimento e mesmo a elevação dos níveis de comércio de aço semiacabado. Essa perspectiva coaduna-se com os atuais esforços conjuntos de integração ainda maior das economias dos dois países", dizem as pastas na nota.

Em 2018, os Estados Unidos impuseram uma cota para as exportações brasileiras, baseada na média de exportações dos três anos anteriores.

Pouco depois, o governo americano permitiu que as indústrias locais pedissem uma exportação isenta de tarifa acima da cota se comprovassem desabastecimento.