• AALR3 R$ 20,05 -0.74
  • AAPL34 R$ 68,33 2.32
  • ABCB4 R$ 16,85 0.96
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.14
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,84 1.31
  • AGRO3 R$ 31,10 1.17
  • ALPA4 R$ 20,74 1.37
  • ALSO3 R$ 19,42 2.16
  • ALUP11 R$ 27,33 1.98
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 23,99 2.22
  • AMZO34 R$ 64,62 -3.03
  • ANIM3 R$ 5,68 4.22
  • ARZZ3 R$ 79,71 -2.03
  • ASAI3 R$ 15,82 -0.88
  • AZUL4 R$ 21,66 2.65
  • B3SA3 R$ 12,10 0.50
  • BBAS3 R$ 38,48 4.00
  • AALR3 R$ 20,05 -0.74
  • AAPL34 R$ 68,33 2.32
  • ABCB4 R$ 16,85 0.96
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.14
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,84 1.31
  • AGRO3 R$ 31,10 1.17
  • ALPA4 R$ 20,74 1.37
  • ALSO3 R$ 19,42 2.16
  • ALUP11 R$ 27,33 1.98
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 23,99 2.22
  • AMZO34 R$ 64,62 -3.03
  • ANIM3 R$ 5,68 4.22
  • ARZZ3 R$ 79,71 -2.03
  • ASAI3 R$ 15,82 -0.88
  • AZUL4 R$ 21,66 2.65
  • B3SA3 R$ 12,10 0.50
  • BBAS3 R$ 38,48 4.00
Abra sua conta no BTG

Economia vai voltar a crescer já no 1º tri, apostam FGV e governo

Alta prevista de 0,1% seria a primeira após 8 trimestres seguidos (dois anos inteiros) de queda
Retomada seria resultado de "alento no balanço de riscos", segundo a FGV. (ThinkStock/violetkaipa)
Retomada seria resultado de "alento no balanço de riscos", segundo a FGV. (ThinkStock/violetkaipa)
Por João Pedro CaleiroPublicado em 30/01/2017 12:51 | Última atualização em 30/01/2017 15:49Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo - A economia brasileira vai voltar a crescer já no 1º trimestre, de acordo com relatório do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A previsão é de alta de 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB) após o que devem ser 8 trimestres seguidos (dois anos inteiros) de queda.

O PIB do 4º trimestre só será divulgada em 07 de março, mas todos os indicadores disponíveis até o momento apontam para um número negativo.

Balanço de riscos

A perspectiva de retomada já no começo do ano seria resultado de um "alento no balanço de riscos", segundo a FGV.

A convergência da inflação em direção ao centro da meta está permitindo que o Banco Central relaxe a política monetária.

O corte da Selic em janeiro foi acelerado para "um novo ritmo" de 0,75 ponto percentual e o último Boletim Focus, divulgado hoje, prevê que a taxa termine o ano em 9,5%.

Outro ponto positivo foi a liberação dos recursos das contas inativas do FGTS que deve injetar o equivalente a R$ 30 bilhões na economia, o suficiente para levar o fator "consumo" de território neutro para levemente positivo, segundo o IBRE.

Outros fatores citados são uma boa safra agrícola, números mais positivos de produção industrial e a reversão da tendência de queda da confiança.

Um fator negativo é o desemprego, que deve continuar em trajetória de alta até pelo menos a metade do ano.

Entre as incertezas estão o impacto das medidas de Donald Trump nos Estados Unidos, o efeito da continuidade das investigações da Lava Jato e qual tipo de reforma da Previdência será aprovada.

"O caráter simbólico de sua aprovação é crucial pela sinalização aos agentes econômicos da disposição do meio político de perseguir o ajuste fiscal de forma consistente (...) se a reforma for aprovada nos moldes em que foi enviada ao Congresso, o impacto sobre a confiança será muito positivo", diz o texto.

Mesmo com retomada já no 1º tri, a previsão do IBRE é que o peso dos dados negativos de 2016 faça com que 2017 termine com apenas 0,3% de crescimento no balanço (veja outras previsões).

Fontes da equipe econômica ouvidas pelo Estadão dizem que o governo espera uma retomada de 0,3% a 0,5% já no 1º trimestre e que a previsão de crescimento de 1% em 2017 será mantida.

Se o governo revisar esse número, terá que definir também como vai cumprir a meta de déficit primário; a arrecadação em 2016 teve o pior resultado desde 2010.