Crescimento do PIB do 3º trimestre dos EUA permanece em 3,5%

O crescimento é impulsionado pelo corte de impostos de 1,5 trilhão de dólares, que impulsionou os gastos do consumidor e o investimento das empresas

Washington - A economia norte-americana desacelerou no terceiro trimestre, assim como divulgado anteriormente, mas o ritmo deve ser forte o suficiente para manter o crescimento no caminho certo para atingir a meta de 3 por cento do governo Trump este ano.

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 3,5 por cento na comparação com o mesmo período do ano anterior, informou o Departamento de Comércio nesta quarta-feira em sua segunda estimativa do crescimento do PIB do terceiro trimestre. A previsão permaneceu inalterada em relação à sua estimativa em outubro e bem acima do potencial de crescimento da economia, que os economistas estimam ser de cerca de 2 por cento.

A economia cresceu a um ritmo de 4,2 por cento no segundo trimestre. Embora as empresas tenham acumulado estoques em um ritmo mais rápido e tenham investido mais em equipamentos do que o inicialmente esperado no terceiro trimestre, isso foi compensado por revisões de queda nos gastos do consumidor e nas exportações.

Economistas consultados pela Reuters previam que o crescimento do PIB no terceiro trimestre permaneceria em 3,5 por cento.

O crescimento está sendo impulsionado pelo pacote de corte de impostos da Casa Branca, de 1,5 trilhão de dólares, que chacoalhou os gastos do consumidor e impulsionou o investimento das empresas. O estímulo fiscal faz parte das medidas adotadas pelo governo do presidente Donald Trump para impulsionar o crescimento anual para 3 por cento em uma base sustentável.

O governo também informou na quarta-feira que os lucros corporativos após os impostos aumentaram a uma taxa de 3,3 por cento no último trimestre, após subir 2,1 por cento no segundo trimestre.

As estimativas de crescimento para o quarto trimestre estão atualmente em torno de um ritmo de 2,5 por cento. Os economistas esperam que o crescimento do PIB diminua ainda mais em 2019, à medida que o estímulo fiscal se esvai e os efeitos de uma intensa guerra comercial com a China, bem como disputas comerciais com outros parceiros comerciais, cobram seu preço.

A desaceleração do crescimento no terceiro trimestre refletiu principalmente o impacto das tarifas retaliatórias de Pequim sobre as exportações dos EUA, incluindo a soja. Os agricultores carregaram antecipadamente os embarques para a China antes que as tarifas entrassem em vigor no início de julho, impulsionando o crescimento no segundo trimestre. Desde então, as exportações de soja caíram a cada mês, aumentando o déficit comercial.

O crescimento nos gastos do consumidor, que responde por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, aumentou a uma taxa de 3,6 por cento no terceiro trimestre e ficou abaixo da taxa de 4,0 por cento estimada em outubro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.